Ricardo Medeiros - GZ
Ricardo Medeiros - GZ

Protesto em Vitória acaba em depredação

Manifestantes danificaram prédios públicos e comerciais no centro da capital; ato pacífico se transformou em 11h de conflito com a PM

Clarice Cudischevitch ,

19 Julho 2013 | 22h57

Um protesto que pedia o fim da cobrança do pedágio na rodovia que liga Vitória a Vila Velha (ES) terminou em vandalismo e confronto com a polícia no centro da capital do Estado. Manifestantes tentaram invadir prédios públicos e chegaram a apedrejar o Palácio Anchieta, sede do governo estadual.

Foram mais de 11 horas de enfrentamentos, com ataques de pedras, uso de bombas de gás lacrimogêneo e balas de borracha. Cerca de 300 manifestantes se concentraram na frente da Assembleia Legislativa por volta das 6h e seguiram em direção ao Anchieta, onde funciona o gabinete do governador Renato Casagrande (PSB).

Um outro grupo se dirigiu até a praça do pedágio da Terceira Ponte, que liga os municípios de Vila Velha a Vitória. Lá quebraram cancelas do pedágio e chegaram a impedir a passagem de veículos no local.

Os manifestantes chegaram ao Anchieta às 9h40 e começaram a atirar pedras no prédio histórico, quebrando as vidraças das janelas. A polícia respondeu com bombas de efeito moral e dispersou o grupo, que depois seguiu para o Palácio Fonte Grande, sede administrativa do governo estadual.

Segundo a assessoria de imprensa do governo, manifestantes arrancaram postes de luminárias e usaram facas para tirar pedras portuguesas das calçadas. O Batalhão de Missões Especiais da Polícia Militar soltou bombas e alguns manifestantes partiram para o enfrentamento com a polícia, que reagiu atirando balas de borracha.

O grupo seguiu pela principal avenida do centro, a Jerônimo Monteiro, onde quebraram agências bancárias, saquearam lojas e incendiaram a recepção da Secretaria da Fazenda. Os manifestantes também tentaram invadir o prédio do Sebrae no centro. O protesto terminou por volta das 17h30, com a dispersão das pessoas.

A Secretaria de Segurança do Espírito Santo informou que ainda não tem a extensão dos danos - 38 pessoas foram detidas e ao menos dois policiais ficaram feridos por pedradas.

Além de pedir o fim da cobrança do pedágio na passagem entre Vitória e Vila Velha, que teve o preço reduzido de R$ 1,90 para R$ 0,80 na semana passada, os manifestantes fazem reivindicações diversificadas, como o passe livre e a volta do sistema aquaviário de transportes.

Na quinta-feira, a polícia apreendeu cinco coquetéis molotov no salão de festas de um prédio, após receber denúncia de moradores. Os responsáveis pelos explosivos conseguiram fugir.

Em coletiva, o governador afirmou que está à disposição para o diálogo, mas disse que os manifestantes não apresentaram suas reivindicações - "preferindo praticar atos de vandalismo contra o patrimônio público". Casagrande também reforçou que não vai tolerar nenhum tipo de dano ao patrimônio. / COLABOROU MARY MARTINS

Mais conteúdo sobre:
protestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.