PSD corre contra o relógio

Superada a sucessão de erros no anúncio do novo partido, o prefeito Gilberto Kassab corre agora contra o relógio para cumprir prazos jurídicos e viabilizar a participação do PSD (Partido Social Democrático) nas eleições municipais de 2012.

João Bosco Rabello, O Estado de S.Paulo

20 Março 2011 | 00h00

Kassab trabalha com a perspectiva de consolidar a nova legenda até agosto, com o propósito de tranquilizar potenciais adesões que condicionam sua participação à eliminação dos riscos eleitorais embutidos no empreendimento.

A desastrada ideia de fusão com o PSB, do governador de Pernambuco, Eduardo Campos, comprometeu o partido junto à Justiça Eleitoral antes mesmo de sua criação, caracterizando a empreitada como um mero truque para driblar a fidelidade partidária.

O prefeito e o grupo dissidente do DEM, liderado pelo ex-senador Jorge Bornhausen (SC), tinham um trunfo legal para trocar de partido sem risco de incorrer na fidelidade partidária: a fraude da ata que alterou decisão da Convenção Nacional retirando poderes do Conselho Político, do qual fazia parte Kassab. O anúncio da fusão, antes da criação, jogou fora esse habeas corpus.

Fusão descartada, a ideia agora é, de fato, afirmar o PSD como uma alternativa de centro-direita e principal referência da doutrina liberal, o que não seria lógico numa legenda socialista.

Posta assim, a proposta de Kassab ainda atrai o grupo de Jorge Bornhausen que, se puder concorrer em 2012 pelo PSD, sem riscos, troca a convivência forçada de hoje no DEM pelo novo partido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.