PT nacional desautoriza atos de protesto no Rio

O Palácio do Planalto e a Executiva Nacional do PT desautorizaram ontem os protestos anunciados por petistas contra a visita do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ao Brasil, a partir deste sábado. Organizadas no Rio de Janeiro por sindicalistas e movimentos sociais, as manifestações de repúdio a Obama foram condenadas por ministros e dirigentes do PT.

Vera Rosa / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

18 Março 2011 | 00h00

Os ministros Gilberto Carvalho (Secretaria Geral da Presidência) e Luiz Sérgio (Relações Institucionais) conversaram por telefone com os organizadores dos protestos e pediram cautela: O governo não quer que Obama seja perturbado e muito menos chamado de "persona non grata" no País. "A direção do PT também não endossa essas manifestações, mas não tem como estabelecer punição. Cada um é responsável por seus atos", afirmou o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE).

N o Rio, o comando do PT estadual proibiu ontem seus militantes de participar dos atos contra Obama, organizados, entre outros, pelo secretário de Movimentos Populares do partido, Indalécio Wanderley. Em nota oficial, o presidente regional da legenda, Jorge Florêncio, afirmou ao Estado: "Está proibido".

Segundo o texto , receber Obama no Rio constitui-se "importante oportunidade de consolidarmos a imagem da Cidade Maravilhosa, do Estado do Rio e do Brasil no cenário internacional".

Ainda assim, movimentos sociais e centrais sindicais programam para hoje uma passeata da Candelária à Cinelândia e, para o domingo, um ato na Glória - longe da área onde Obama vai falar.

Para Wanderley, a nota do PT não cria nenhum problema à participação de petistas nas manifestações, porque eles irão aos atos como militantes de outras organizações. "Os movimentos sociais não são do PT, são da sociedade brasileira", afirmou o sindicalista. / COLABORARAM WILSON TOSTA, PEDRO DANTAS e BRUNO BOGHOSSIAN

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.