Quadrilha rouba gado impróprio para consumo na BA

Dezenas de reses recentemente vacinadas cuja carne é imprópria para o consumo humano foram roubadas nos últimos meses na região de Feira de Santana, a 108 quilômetros de Salvador, que é um dos pólos bovinos do Estado da Bahia. A descoberta foi feita depois que a polícia baiana desbaratou ontem uma quadrilha de ladrões que confessou ter furtado pelo menos cem bois e vacas de fazendas da região, principalmente do município de São Gonçalo do Campo. José Raimundo Santos, Alinaldo José Santos e Antonio Carlos Santos presos pelo delegado José Brás Coutinho contaram que o bando é formado por seis pessoas lideradas por Manoel Bonfim, que junto com outros dois comparsas, está foragido. Um fazendeiro francês contou na delegacia ter perdido 68 garrotes. No entanto, o depoimento mais preocupante foi o do produtor Alberto Lacerda que revelou ter vacinado há uma semana com o produto Ivomec e um modificador orgânico as reses roubadas. Perigo de morte Os produtos que servem para livrar o gado de várias doenças parasitárias só são totalmente absorvidas pelo animal após um mês. Por essa razão o tempo mínimo que deve ser observado para se abater um boi vacinado é 30 dias. Se isso não ocorrer, a pessoa que consumir a carne pode ser envenenada. "As reações vão desse vômitos e náuseas até a morte", explicou o veterinário Erinaldo Nogueira. A polícia está procurando o chefe da quadrilha e o receptador para descobrir para quais açougues da região a carne do gado vacinado foi distribuído. Devido aos riscos a saúde da população da região, a polícia convocou técnicos da vigilância sanitária do Estado para ajudar nas buscas nos estabelecimentos que vendem carne bovina.

Agencia Estado,

03 Junho 2003 | 13h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.