Recuperar estradas é prioridade do governo Lula, diz ministro

O ministro dos Transportes, Anderson Adauto, disse hoje, na abertura do seminário Infra-Estrutura de Transportes, Alicerce do Desenvolvimento Econômico e Social, que recuperar estradas brasileiras é uma das grandes prioridades do governo Lula. A uma platéia de empresários, na sede da Confederação Nacional da Indústria (CNI), em Brasília, ele disse que tanto o governo quanto o setor produtivo devem lutar para que o setor de transportes tenha recursos para fazer um planejamento de longo prazo. Segundo Adauto, o Ministério já fez um levantamento dos piores trechos, tanto rodo quanto ferroviários, que têm criado problemas para o escoamento da produção e, também, para o desenvolvimento do turismo. Ele disse que 80% das rodovias federais têm mais de 10 anos de idade e foram construídas numa época em que o País dispunha de um fundo rodoviário para custear essas obras. Hoje, segundo ele, no entanto, é destinado apenas 0,2% do PIB para investimentos em infra-estrutura de transportes. O ministro lembrou que o governo lançou, no mês passado, um programa de revitalização das ferrovias e disse que, no segundo semestre deste ano, dará início, de forma mais efetiva, à implementação no setor portuário. Um dos vice-presidentes da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Luiz Eduardo Moreira Ferreira, disse que a solução para o setor de transportes do País passa por duas vertentes: a de regulação econômica e de investimentos. Na parte de regulação econômica, segundo ele, o Ministério dos Transportes já vem trabalhando em regras para o setor. Ele sugeriu que haja uma melhor adequação na atuação das agências reguladoras, no que diz respeito a sua função de regular e fiscalizar os serviços de transportes. Moreira Ferreira defendeu o uso de recursos da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) para investimento permanente no setor de transportes. Disse que o setor demanda recursos de R$ 6,5 bilhões por ano, nos próximos 4 anos. Além disso, explicou, o somatório dos problemas que atravessa o setor de transporte encarece o transporte da produção acima do custo do mercado internacional, tirando competitividade dos produtos brasileiros. Segundo Moreira Ferreira, a retomada de investimentos no setor de infra-estrutura é fundamental para desenvolvimento econômico e social do País. Entre os problemas que afetam o setor rodoviário, o vice-presidente da CNI apontou a crescente deterioração da estrutura das estradas e a elevação do índice de roubos de cargas e, no setor ferroviário, além da infra-estrutura também deteriorada, a baixa velocidade média desse meio de transporte e o fato de a malha ferroviária datar do início do século passado. As conclusões do seminário deverão ser levadas em conta para elaboração do Plano Plurianual de Investimentos (PPA) 2004-2007 no setor de transportes.

Agencia Estado,

10 Junho 2003 | 11h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.