Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Renda dos mais ricos é 15 vezes maior que a dos mais pobres

Dados do IBGE revelam que os 10% mais ricos detêm 41,7% da renda do País, enquanto os 10% mais pobres se apropriam de 1,2%

Luciana Nunes Leal, O Estado de S. Paulo

17 Dezembro 2014 | 10h00

RIO - A Síntese de Indicadores Sociais (SIS), divulgada pelo IBGE nesta quarta-feira, 17, mostra que, apesar da redução da desigualdade, o abismo entre ricos e pobres diminui muito lentamente. Os 10% mais ricos detêm 41,7% do total da renda do País, enquanto os 10% mais pobres se apropriam de apenas 1,2% do conjunto de rendimentos. Em um cenário totalmente igualitário, cada grupo teria 10% da renda total. Em 2004, as proporções eram de 45,3% para os mais ricos e 1% para os mais pobres. 

Em 2013, os 20% mais ricos tinham renda média familiar de R$ 3.215 mensais por pessoa, 15,7 vezes maior que os R$ 204 mensais que cabiam aos 20% mais pobres. Ou seja: se poupassem toda a renda, os mais pobres levariam um ano e três meses para atingirem o ganho de um mês dos mais ricos. 

A distância brutal se repete no acesso a bens. Enquanto apenas 19,6% dos mais pobres vivem em domicílios com computadores, a proporção chega a 81,6% entre os mais ricos. Menos de um quarto (23,9%) dos pobres vivem em residências com máquina de lavar, proporção que sobe para 86,6% entre os mais ricos. Fogão, geladeira e televisão são os bens duráveis mais "democráticos", presentes nas casas de mais de 90% da população, independente da renda. 

Mais conteúdo sobre:
IBGE desigualdade social

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.