Rio é o Estado que mais cortou gastos com segurança, aponta estudo

Enquanto o investimento do País no setor cresceu 15,4% entre 2008 e 2009, Rio reduziu verbas em 24,6%

Gabriel Pinheiro, Estadão.com.br

14 Dezembro 2010 | 11h01

SÃO PAULO - Mesmo diante das estatísticas criminais em alta, o Rio de Janeiro foi o Estado brasileiro que mais cortou gastos com segurança pública. No ano passado, a área recebeu 24,6% menos recursos em comparação a 2008 - passou de R$ 4,9 bilhões para R$ 3,7 bilhões. No mesmo período, o País destinou R$ 45,6 bilhões ao setor, o que representa crescimento de 15,43%. Os dados são do Anuário do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

 

Veja também:

linkMinas tem a menor taxa de homicídios do Brasil, mostra estudo

linkMortes violentas vitimaram 5 vezes mais homens que mulheres em 2008

 

Apresentado nesta terça-feira, 14, o relatório mostra que o setor mais prejudicado com os cortes na segurança pública do Rio foi informação e inteligência - em 2008, a área teve investimento de R$ 70,5 milhões, contra R$ 26 milhões em 2009, uma queda 63,14%. No mesmo período, houve aumento nos índices de homicídio doloso (0,7%) e latrocínio (5,6%).

 

"Enquanto em 2008 o Rio de Janeiro gastava uma média de R$ 310,00 por habitante com segurança pública, em 2009 esse valor caiu para R$ 232,00, inferior aos R$ 270,00 observados em 2006, início da série histórica disponível neste Anuário", aponta o estudo.

 

Além do Rio, somente Roraima aparece na contramão da tendência nacional de aumento de gastos com a segurança, com uma redução de 7,6% nos investimentos nos dois últimos anos. Em 2008, foram destinados R$ 137 milhões à área, enquanto em 2009 o valor passou para cerca de R$ 127 milhões.

 

O estudo aponta que São Paulo segue como o Estado brasileiro que mais destina recursos ao setor. Entre 2008 e 2009, foi registrado crescimento de 12,96% nos gastos com a área, indo de R$ 8,9 bilhões para R$ 10,1 bilhões. Em seguida aparece Minas Gerais, que repassou R$ 4,9 bilhões à segurança pública em 2008 e R$ 5,6 bilhões em 2009, um crescimento de 13,32%.

 

"Em valores nominais, todos os Estados aumentaram suas despesas com a área acima da inflação acumulada nesse mesmo período (40,4% pelo IPCA). Entretanto, em termos relativos, municípios e União estão, proporcionalmente, investindo mais do que as Unidades da Federação em segurança pública", conclui a pesquisa.

 

Repercussão. À tarde, o governador do Rio, Sérgio Cabral (PDMB), contestou a pesquisa. De acordo com o governador, em 2009 os gastos com inativos e pensões de policiais civis e militares passaram a ser contabilizados como custos de previdência, e não mais nas contas do setor de segurança. A mudança, segundo Cabral, justifica a redução nos números do setor.

 

Texto atualizado às 17h35.

 

 

Mais conteúdo sobre:
violência Rio segurança pública ONG estudo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.