Rio-Santos terá trecho duplicado em 2013

Governo anuncia que vai aumentar as faixas entre Bertioga e Ubatuba e promete entregar obra da Tamoios em 16 de zembro do ano que vem

Bruno Ribeiro e Reginaldo Pupo, Especial para o Estado

17 Dezembro 2012 | 10h58

SÃO SEBASTIÃO - Parte da Rodovia Rio-Santos (SP-55), no trecho que liga Bertioga a Ubatuba, no litoral norte de São Paulo, será duplicado a partir do próximo ano. O anúncio foi feito pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) no sábado, 15, durante reunião de prefeitos da Região Metropolitana do Vale do Paraíba e Litoral Norte.

As obras, segundo o governo do Estado, serão para aumentar as faixas de rolagem em alguns pontos da estrada, mas sem construção de canteiro central. O argumento é que há locais de grande adensamento populacional, que inviabilizam uma duplicação mais ampla. Além disso, haverá recuperação, recapeamento e modernização da sinalização e das faixas existentes. 

“Já assinamos o contrato para viabilizar o projeto e há possibilidade de o Estado realizar uma parceria com a iniciativa privada”, disse Alckmin.

A rodovia já é considerada saturada pelos motoristas que a utilizam diariamente e recebe todo o fluxo de caminhões que se dirigem ao porto de São Sebastião. Além disso, tem trechos sinuosos e sem acostamento, que aumentam risco de acidentes.

Segundo o governador, serão investidos R$ 98,7 milhões em obras no trecho entre São Sebastião e Bertioga.O prazo para conclusão das obras não foi detalhado.

Tamoios. Alckmin também prometeu que o trecho de planalto da Rodovia dos Tamoios, que liga o Vale do Paraíba ao litoral norte e que está em obras de duplicação, será entregue no dia 16 de dezembro de 2013. 

Ele afirmou que a empresa Desenvolvimento Rodoviário S/A (Dersa) habilitou na semana passada 19 das 25 empresas ou consórcios interessados em participar da concorrência para execução da construção dos contornos. “Até o final do ano que vem as obras serão iniciadas.”

O governo do Estado tem procurado destacar o número de empresas que participam dessa licitação, classificando o total como “alto”, para afirmar que a concorrência acirrada deve baratear o projeto, estimado inicialmente em R$ 1,8 bilhão. 

As obras são mais complexas do que a duplicação anunciada para a Rio-Santos. Serão, ao todo, 37 km de pistas, uma delas saindo da Tamoios e seguindo para Caraguatatuba e outra, também partindo da Tamoios, em direção a São Sebastião, que tem objetivo de retirar os caminhões do trecho urbano da Rio-Santos. 

A obra é necessária, diz a Dersa, por causa de uma outra obra de grande porte: a ampliação do Porto de São Sebastião. 

Protesto. O governador Geraldo Alckmin levou nove secretários estaduais com ele e enfrentou estudantes que protestaram contra essa ampliação. 

Parte dos moradores e ambientalistas da área temem que a ampliação do porto - e as demais obras viárias - avancem sobre o Parque da Serra do Mar e estimulem a ocupação ilegal de áreas de preservação ambiental.

Notícias relacionadas
Mais conteúdo sobre:
rio santos, duplicação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.