Rio suspende decreto que autorizava construções em Angra

Ambientalistas e procuradores da República diziam que medida de Cabral prejudicava áreas de preservação

Pedro Dantas, de O Estado de S. Paulo,

06 Janeiro 2010 | 12h41

A secretária estadual do Ambiente, Marilene Ramos, anunciou nesta quarta-feira, 6, que o decreto da Área de Proteção Ambiental de Tamoios, que abria a possibilidade de novas construções na Região de Angra dos Reis e Ilha Grande, no Rio de Janeiro, está suspenso. Ambientalistas e procuradores da República acusam a regra, baixada no ano passado pelo governador Sérgio Cabral Filho (PMDB), de ter prejudicado áreas de preservação permanente.

 

Veja também:

linkPousada Sankay, no Rio, não tinha licença ambiental

link'Não era difícil prever a tragédia'

linkCabral deu aval para construção de imóveis em encostas de Angra

linkLula e Cabral discutirão recursos para Angra na próxima quarta

lista Leia a cobertura completa da tragédia em Angra dos Reis

 

"O decreto não tem interferência com risco de ocupação. Procura organizar as ocupações em zonas de conservação da vida silvestre e não em zonas de preservação, onde continua proibida a ocupação do solo. Mas, tendo em vista a polêmica suscitada, os efeitos desse decreto estão suspensos até o fim do estudo de revisão do Plano de Manejo da região, que já está em andamento", disse a secretária.

 

Ela estimou que a longo prazo cerca de 3 mil casas serão removidas em toda a região de Angra dos Reis e Ilha Grande. De acordo com Marilene, técnicos do Instituto Estadual do Ambiente (INEA) iniciaram hoje um levantamento das áreas de risco em toda a Ilha Grande.

Mais conteúdo sobre:
Rio Angra dos Reis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.