1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Rodoviários de Belo Horizonte decidem suspender greve

Marcelo Portela - O Estado de S. Paulo

25 Fevereiro 2014 | 22h 30

Trabalhadores vão levar proposta de reajuste de 7,26% para ser votada pela categoria ainda esta semana

BELO HORIZONTE - Trabalhadores do serviço de transporte público de Belo Horizonte concordaram na noite desta terça-feira, 26, em suspender a greve iniciada na semana passada para avaliar proposta apresentada pela Justiça trabalhista. Os rodoviários reuniram-se na sede do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) com representantes das empresas de ônibus que operam na capital e aceitaram levar a proposta para ser votada pela categoria em assembleia que deve ocorrer ainda esta semana.

Os trabalhadores reivindicavam aumento salarial de 21,5%, tickets-alimentação de R$ 15 e piso 30% maior para motoristas que vão atuar no sistema de BRT (Bus Rapid Transit), que deve começar a funcionar em maio por meio de investimentos em mobilidade para a Copa do Mundo. As empresas consideraram "impraticável" atender às reivindicações. A direção do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de BH e Região (STTRBH) aceitou levar para a categoria avaliar a proposta da juíza Wilmeia da Costa Benevides, que intermediou as mais de quatro horas de negociações.

Caso aceitem o acordo, os rodoviários terão reajuste de 7,26% nos salários, redução de 20 minutos na carga horária diária, que atualmente é de seis horas e 40 minutos, e os profissionais que vão atuar no BRT - batizado Move pela prefeitura - receberão 15% a mais que os colegas. A magistrada determinou que as duas partes se posicionem sobre a proposta até 7 de março.

Transtornos. Nesta terça, pelo segundo dia consecutivo, usuários do transporte coletivo da capital e de municípios vizinhos enfrentaram uma série de dificuldades devido à greve. Apesar de o TRT ter expedido liminar determinando a manutenção de 70% das linhas de ônibus em horários de pico, o serviço operou com 47% das viagens programadas pela manhã, chegou a 57% durante a tarde e caiu para 42% das viagens previstas no início da noite.

As estações Barreiro, Diamante e Vilarinho, três dos maiores terminais da capital, que não funcionaram pela manhã, voltaram a ficar parados depois de operarem com 25% das viagens durante o dia. A estação Venda Nova, que permaneceu fechada na segunda-feira - quando o sistema operou com apenas 39% das viagens programadas -, teve a operação de 70% das linhas nesta terça. O movimento já causou prejuízo de R$ 38 milhões ao comércio, segundo a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), e afetou serviços como os prestados pelo Restaurante Popular, da Prefeitura, onde a oferta de jantar foi suspensa nos dois dias por causa da falta de pessoal.