1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Samarco emite alerta por deslocamento de terra na barragem de Fundão, em Mariana

- Atualizado: 28 Janeiro 2016 | 17h 36

Aviso prevê a retirada de funcionários que possam estar no local; em novembro do ano passado, estrutura ruiu, matando 17

Material que se deslocou tem as mesmas características do que vazou em novembro

Material que se deslocou tem as mesmas características do que vazou em novembro

BELO HORIZONTE - A barragem de Fundão, de rejeitos de minério de ferro da empresa Samarco, que ruiu em Mariana em 5 de novembro de 2015, registrou nesta quarta-feira, 27, novo deslocamento de lama, obrigando à retirada de funcionários da empresa do local. A tragédia do ano passado deixou 17 mortos e 2 desaparecidos, destruiu o distrito de Bento Rodrigues e causou uma enxurrada de lama que chegou ao Espírito Santo.

Segundo informações da Coordenadoria de Defesa Civil do Estado de Minas (Cedec), o material que se deslocou nesta quarta tem as mesmas características do que vazou em novembro, mas não chegou a sair da área da empresa. O chefe da força-tarefa do Ministério Público que investiga as causas do rompimento da barragem de Fundão, promotor Carlos Eduardo Ferreira Pinto, enviou uma equipe de técnicos ao local para apurar a dimensão do problema. Em nota, a Defesa Civil Estadual, que sobrevoou a área nesta quarta, informou que, “em torno das 12 horas houve uma movimentação de massa no material que sobrou na barragem”. 

Com o deslocamento dos resíduos, a empresa emitiu alerta amarelo, que prevê basicamente a retirada de funcionários da planta. Conforme informações do presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção Pesada do Estado de Minas (Siticop-MG), José Antônio da Cruz, funcionários, sobretudo de empresas terceirizadas, atuavam ao menos até a terça-feira em áreas atingidas pela lama próximas de Bento Rodrigues, na limpeza de acessos para máquinas e em reparos em outra barragem da empresa, de Germano, que passa por obras de reforço. 

Em nota oficial, a Samarco destacou que a evacuação foi preventiva e não houve a necessidade de acionamento de sirene por parte da empresa. “O volume deslocado permanece entre a barragem de Fundão e Santarém, dentro das áreas da Samarco”. O texto diz ainda que “as estruturas das barragens de Germano e Santarém permanecem estáveis com base no contínuo monitoramento”.

Barragem de rejeitos se rompe em Minas Gerais
MÁRCIO FERNANDES/ESTADÃO
Resgates em Mariana

Duas barragens se romperam em Mariana (MG). O distrito de Bento Rodrigues foi invadido pela lama

Visita. O deslocamento aconteceu justamente no segundo dia de visitas de integrantes do Fórum de Responsabilidade Corporativa (FRC) da mineradora BHP Billiton, controladora da Samarco juntamente com a Vale, à área devastada pelos rejeitos de minério de ferro da barragem do Fundão. O grupo - composto em sua maior parte por estrangeiros, integrantes de comitês de saúde, segurança e meio ambiente - ainda previa visitar o município de Barra Longa. Ao se apresentarem nesta quarta em Mariana, eles afirmaram ser parceiros da BHP Billiton, mas não funcionários. O objetivo da visita seria o de acompanhar como as mineradoras estariam atuando no pós-tragédia. Procurada, a BHP Billiton não quis comentar o caso.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em BrasilX