Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Brasil

Brasil » Samarco deve pedir ao Ibama novo prazo para plano de recuperação

Brasil

Brasil

Samarco

Samarco deve pedir ao Ibama novo prazo para plano de recuperação

Mineradora tem alegado, em reuniões técnicas, a necessidade de mais 5 dias para aprofundar o relatório, rejeitado em 28 de janeiro

0

Luísa Martins,
O Estado de S. Paulo

15 Fevereiro 2016 | 21h35

BRASÍLIA - Notificada a apresentar até esta quarta-feira, 17, um novo plano de recuperação ambiental para as áreas afetadas pela lama, a Samarco deve pedir ao Ibama para prorrogar o prazo. O Estado apurou que a mineradora tem alegado, em reuniões técnicas, a necessidade de mais cinco dias para aprofundar o relatório, rejeitado em 28 de janeiro pelo órgão ambiental, que o considerou "genérico".

A mineradora, por meio de sua assessoria de imprensa, informou que não vai comentar o assunto. Já o Ibama informou que ainda não recebeu nenhum pedido oficial de adiamento de prazo.

O plano inicial apresentado pela Samarco fez um "diagnóstico extremamente superficial dos danos", conforme nota técnica do Ibama. O órgão critica, por exemplo, o fato de a mineradora não citar quais espécies de fauna e flora foram afetadas, quais estão em risco de extinção e quantas têm distribuição restrita aos locais atingidos pela lama.

"Em relação aos impactos sobre os organismos aquáticos, verifica-se a tendência a subestimar o problema, inclusive se omitindo completamente em relação ao volume e à diversidade de peixes encontrados mortos ao longo da bacia do Rio Doce", informa a nota. Para o Ibama, as ações têm pouco embasamento metodológico e científico e, além disso, a empresa não estimou prazos para cumpri-las, o que impossibilitaria o acompanhamento das metas.

No dia em que o plano foi rejeitado, a Samarco afirmou que os pontos de aprimoramento sugeridos seriam incorporados ao documento. A mineradora, cujas sócias são a Vale e a BHP Billiton, é a responsável pela barragem de Fundão, que rompeu em 5 de novembro, causando um "tsunami" de lama que devastou distritos de Mariana (MG) e provocou sérios danos ambientais no Rio Doce.

 

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.