São Clemente abre desfiles no Rio, mas não empolga

A São Clemente abriu o desfile do grupo especial na Marques de Sapucaí com uma homenagem ao Rio de Janeiro. Mas, a escola, que fez uma apresentação sem grandes contratempos, não empolgou a plateia nas arquibancadas.

Mônica Ciarelli , O Estado de S. Paulo

07 Março 2011 | 08h17

O momento mais emocionante foi a passagem do gari Renato Sorriso, que ficou famoso no Rio pelo show de samba para o público, enquanto varria o sambódromo após a passagem das escolas.

Sorriso veio no último carro, fechando a apresentação da São Clemente, que estava afastada do Grupo Especial desde 2008.

Com 50 anos de existência, a única representante da zona sul na disputa tentou fazer um desfile de escola grande e acabou perdendo em originalidade. A tradicional irreverência até esteve presente, mas, em alegorias e carros com acabamento precário.

O Pão de Açúcar, símbolo da escola, foi retratado de forma estilizada logo no carro abre-alas. O carro teve problemas ao entrar na Sapucaí e criou um buraco de cerca de 15 metros, o que deve prejudicar a nota de evolução da escola.

O carnavalesco Fábio Ricardo trouxe para a Sapucaí ainda outros “cartões postais” para contar as belezas da cidade “esculpida pela natureza”, como entoa a letra do seu samba-enredo. Entre eles, o Jardim Botânico, que foi representado por seu famoso chafariz.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.