Secretaria diz que respeita ''critérios técnicos''

Em nota, órgão defende indicações e afirma não confundir filiação partidária com administração pública

, O Estado de S.Paulo

28 Março 2011 | 00h00

A Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Regional afirmou, por meio de sua assessoria de imprensa, que a composição dos Escritórios Regionais de Planejamento (Erplans) obedece a critérios técnicos e que são avaliadas as competências gerenciais e administrativas de cada um dos candidatos aos cargos, "e não a preferência político-partidária de cada um deles, como os questionamentos da reportagem sugerem".

A nota da secretaria acusa ainda o Estado de embutir "erro de origem ao confundir administração pública com filiação partidária". "A competência administrativa dos diretores dos Erplans tem contribuído significativamente para o desenvolvimento regional, prova disso foram os mais de 7.200 convênios celebrados nos últimos quatro anos entre o Estado e 641 municípios paulistas", afirmou a secretaria.

Segundo a secretaria, o quadro de diretores dos Erplans é composto por profissionais de diversas áreas, como engenheiros, sociólogos, professores universitários, advogados e servidores públicos de carreira. Dentre os 14 diretores nomeados, três exerceram mandatos no executivo municipal.

Sobre o advogado Ailton Barbosa Figueira, que fundou o PSDB de Pindamonhangaba com o governador Geraldo Alckmin, a secretaria destaca que ele ocupa seu cargo desde 1995, quando o governador era Mario Covas.

A secretaria diz que Ademir Kabata, condenado em primeira instância por mau uso dos recursos públicos quando prefeito de Sete Barras, é "economista formado pela Universidade de São Paulo e acumulou experiência em administração pública como prefeito por dois mandatos". Destaca ainda que a acusação contra ele não teve decisão final da Justiça. "Sequer foi julgada por um órgão judicial colegiado", completa a nota.

"Ester Aparecida Viana, que a reportagem qualifica simplesmente como candidata a vice-prefeita de Campinas, é ex-professora da Unicamp, formada em Sociologia e Assistência Social. Além disso, foi secretária municipal de Planejamento e Educação em Campinas", afirma a secretaria. Para a pasta, o jornal "ignora" a experiência de Jair Rosseto como "professor da rede pública de ensino" e faz questão de destacar "apenas" sua filiação partidária.

A secretaria destaca ainda que uma das missões dos escritórios regionais é ser um elo entre a administração pública estadual e as prefeituras. "Portanto, nada mais natural, óbvio, lógico e previsível do que ter à sua frente pessoas com experiência em planejamento ou na administração pública", afirma a nota.

O órgão informou ainda que, "conforme explicação anterior ao jornal, nenhum dos atuais diretores dos Escritórios Regionais foi nomeado pela atual gestão e que não há decisão tomada sobre a equipe para os próximos quatro anos".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.