Wilton Junior/AE
Wilton Junior/AE

Segurança fecha Cristo Redentor para Obama visitar

Até equipes de limpeza e ascensoristas foram dispensados e a própria equipe do presidente é que terá de operar os elevadores

Bruno Boghossian / RIO, O Estado de S.Paulo

18 Março 2011 | 00h00

Cercado por um esquema de segurança rigoroso, o presidente dos EUA, Barack Obama, encontrará um Cristo Redentor completamente isolado, sem turistas e funcionários, durante sua visita prevista para a manhã de domingo.

Devido ao bloqueio do monumento, até equipes de limpeza e ascensoristas foram dispensados - o que obrigará a própria equipe do presidente a operar os elevadores que dão acesso ao pé da estátua.

Homens responsáveis pela segurança do governo americano farão varreduras no entorno do monumento a partir das primeiras horas da madrugada de domingo. A estátua ficará isolada a partir de 0h, com o bloqueio das estradas de acesso.

A Arquidiocese do Rio, que administra o santuário do Cristo Redentor, passará o controle do espaço à equipe de Obama no fim da noite de sábado. Os seguranças terão liberdade para realizar o reconhecimento da área, varreduras e ações de patrulhamento antes da chegada da família do presidente.

Barack Obama, a primeira-dama Michelle e as filhas do casal, Sasha e Malia, devem chegar ao monumento na limusine da comitiva americana às 9h30. Apesar do rígido esquema de segurança, o presidente teria pedido para fazer uma visita "turística" à estátua, sem formalidades e protocolos de um evento oficial.

Irritação. Um dos pontos mais famosos do Rio, a estátua do Cristo Redentor só será reaberta para visitação às 11h de domingo. Turistas aprovam a decisão de Obama de visitar o monumento, mas mostraram irritação com interdições provocadas pela passagem do presidente americano. "Vai prejudicar muito turistas que estão na cidade por pouco tempo e terão que cancelar suas programações", reclamou a funcionária pública aposentada Fátima Heineck, de Porto Alegre.

Para o empresário americano Walter Wolf, que visitava o Cristo Redentor ontem à tarde, a agenda turística de Obama no Rio faz parte de uma estratégia para consolidar a imagem do presidente como líder mundial. "Não votei nele em 2008, mas sei que essa visita é importante. Estando no Cristo Redentor, ele demonstra a admiração que os EUA têm pelo Brasil", afirmou.

Interdições. O discurso de Obama, previsto para o domingo na Cinelândia, bloqueará o acesso a parte do centro do Rio. O Theatro Municipal, de onde o presidente falará aos brasileiros, cancelou o início da temporada, originalmente marcado para hoje.

Bares da região, como o tradicional Amarelinho, ficarão fechados durante todo o dia. Devido à expectativa de dificuldades no trânsito, parte da programação de domingo do Museu de Arte Moderna foi cancelada.

Segundo o Comando Militar do Leste, responsável pelas equipes brasileiras de segurança durante a visita, não será necessário interromper pousos e decolagens de voos no aeroporto Santos Dumont, a 1 quilômetro da Cinelândia. Algumas rotas, no entanto, podem ser desviadas e os pequenos aviões deverão utilizar o Aeroporto Antônio Carlos Jobim. / COLABORARAM CLARISSA THOMÉ E MÁRCIA VIEIRA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.