Wilton Júnior, Tasso Marcelo e Marcos de Paula/AE
Wilton Júnior, Tasso Marcelo e Marcos de Paula/AE

Sentimento de superação, Beija-Flor e Salgueiro se destacam na 2ª noite

Sob chuva, o último dia de desfiles deu destaque para o sentimento de superação após o incêndio que atingiu parte da Cidade do Samba e destruiu fantasias e alegorias de duas escolas da noite: União da Ilha e Grande Rio. Na passarela, por onde passaram mais quatro agremiações, chamaram atenção a Salgueiro, pelo desfile luxuoso, apesar do atraso em deixar a Marquês de Sapucaí, e Beija-Flor, que homenageou ninguém menos que o rei Roberto Carlos.

estadao.com.br,

08 Março 2011 | 09h20

A primeira a entrar na passarela do samba, por volta das 21h, a União da Ilha surpreendeu quem esperava um desfile com integrantes abatidos pela tragédia ocorrida há cerca de um mês. Com enredo sobre Charles Darwin e seu principal trabalho – a Teoria da Evolução -, a escola aproveitou o aniversário de 58 anos para celebrar a própria trajetória. Muitos adereços foram substituídos por trajes mais simples, mas nem por isso menos criativos.

Já a Salgueiro entrou com tudo. Com um show luxuoso e criativo, a agremiação viu sua passagem se transformar num drama: problemas em carros alegóricos fizeram a vermelho e branco segurar o passo para não criar buracos e atrasar a saída em dez minutos, o que gera perda na pontuação por penalidade. O drama tirou todo o destaque para o que a escola tinha de melhor: uma bela apresentação sobre o cinema, como ponto alto as referências ao nacional Madame Satã.

Mocidade Independente de Padre Miguel foi para o campo buscar inspiração para falar sobre agricultura. Num desfile correto, a escola teve algumas dificuldades para evoluir por causa do tamanho dos carros alegóricos, além de um princípio de incêndio em uma das alegorias, o que causou um buraco bem em frente a uma das torres de jurados. Elementos da natureza e crenças davam destaque numa epítome da vida: faunos na bateria, forças naturais espalhados pela avenida, sementes, animais e verde.

Outra das “vítimas” do fogo, a Grande Rio lavou a alma sob a chuva na Sapucaí. Com integrantes mais soltos já que nenhuma das afetadas pelo incêndio serão julgadas, o desfile da escola foi dominado pela paixão. Todas as alegorias e fantasias foram recuperadas, mesmo que em versões mais simples, mas tão belas quanto as alas comerciais que eram feitas fora da Cidade do Samba. E foi a paixão que fez todos os componentes cantarem a o samba-enredo em louvor a Florianópolis, com suas crendices, cultura e tradições. Saíram da passarela com a promessa de voltar arrasando em 2012.

A Porto da Pedra chegou com a vontade de vencer no sambódromo. Já com uma trégua da chuva, a agremiação apresentou um desfile lúdico e criativo ao contar a vida da autora e diretora de teatro Maria Clara Machado. Efeitos especiais também ajudaram a levar o público a uma viagem pela imaginação, com destaque especial para o fantasminha Pluft.

Grande expectativa para a noite, a Beija-Flor levou o cantor Roberto Carlos e se apoiou em seu carisma e popularidade para levar o desfile. Todas as fases do rei, desde a infância até a devoção religiosa, passando pela relação com a mãe, Lady Laura, foram simbolizadas pela escola – em fantasias luxuosas e grandes alegorias. Para ganhar ainda mais o público – para quem a presença de Roberto no desfile parecia o suficiente – a agremiação de Nilópolis distribuiu rosas artificiais, em semelhança ao que o próprio cantor faz em seus shows. Mas no fim, pela tradição da Beija-Flor, ficou a sensação de que mais poderia ter sido feito.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.