STJ inclui irmã de Sean Goldman no processo que pede seu retorno ao País

Inclusão pode tornar volta do garoto ao Brasil mais fácil, uma vez que haveria mais um laço familiar

Central de Notícias

01 Março 2011 | 18h22

SÃO PAULO - O Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu nesta terça-feira, 1, incluir a irmã de Sean Goldman como parte interessada no processo que a família materna do menino move para trazê-lo de volta ao País. Sean vive nos Estados Unidos com o pai biológico, David Goldman, desde 2009, após o Supremo Tribunal Federal ter cassado a liminar que o mantinha no país.

 

A assessoria de imprensa do STJ informou que a inclusão da irmã de Sean no processo poderia tornar a volta do menino mais fácil, uma vez que haveria mais um laço familiar no Brasil. A lei brasileira prevê que irmãos devem ser criados juntos. Chiara Lins e Silva tem pouco mais de dois anos e é fruto do casamento entre a mãe de Sean e seu padrasto, João Paulo Lins e Silva.

 

O advogado da família, Sérgio Tostes, explicou que a inclusão da irmã no processo "equilibra o jogo". Isso porque a Justiça havia admitido David como assistente da União Federal no processo, mas negado Chiara como assistente de João Paulo, alegando que ela não possuía direito jurídico. Agora que este recurso de inclusão foi aceito, o advogado disse que pedirá que os demais recursos que ele registrou também sejam examinados e, eventualmente, a revisão completa do processo.

 

Em entrevista por telefone, ele reforçou sua opinião de que a decisão de mandar Sean para os Estados Unidos foi precipitada. Sérgio Tostes espera ainda que o assunto seja tratado durante a visita do presidente norte-americano Barack Obama ao País.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.