Surpresa nas faturas

Recebi, de novo, fatura da NET com cobrança equivocada. Como foi acertado por telefone no dia 28 de setembro, o estorno dos valores cobrados a mais seria feito no dia 10 de outubro. Nas faturas recebidas, o valor pago a mais é de R$ 69,80. OLIVIA MALAGOLA São Paulo A NET esclarece que, em contato mantido com a sra. Olívia, prestou esclarecimentos dos procedimentos praticados pela empresa e ratificou que o desconto seria visualizado na próxima fatura de outubro. A leitora contesta: conforme ficou acertado, o reembolso das quantias pagas a mais nas faturas de agosto e setembro seria creditado na conta de outubro. Aguardei a chegada da fatura e qual não foi minha surpresa ao verificar que não recebi reembolso algum, tendo sido feita uma "maquiagem" (uma cobrança do dobro do valor que normalmente eu pago), aplicando um aumento nas mensalidades para no final dar um desconto da cobrança em dobro. Mais uma vez a NET não honrou o compromisso com o consumidor. Desta vez não me comuniquei com a NET (apenas estou enviando uma cópia deste e-mail), em virtude de terem se esgotado todas as possibilidades de comunicação efetiva. Peço a gentileza à coluna São Paulo Reclama de alertar seus leitores sobre as armadilhas a que o cliente NET está sujeito. Sou uma pessoa da terceira idade e confesso que, quando recebo a fatura do serviço, sinto até palpitações diante das "surpresas" que possam advir. Espero resolver esse caso o mais rápido possível para solicitar meu desligamento dos serviços NET. Promessas não cumpridas Em 28/12/2006 esta coluna publicou minha queixa (Sem rampa ou elevador) sobre a falta de acesso dos deficientes físicos à Praia do Tombo, no Guarujá. A prefeitura respondeu que os acessos seriam instalados ainda em janeiro de 2007. Como a promessa não foi cumprida, em 27/8/2007, reclamei de novo (Guarujá - promessas). A prefeitura, pela Secretaria do Meio Ambiente, respondeu que a Praia do Tombo sofria adaptações para atender aos 29 critérios exigidos para a obtenção do Certificado Internacional Bandeira Azul, e o prazo de conclusão das obras seria julho de 2008. A demora da construção das rampas de acesso para pessoas com deficiência e dos outros equipamentos era por causa das exigências da legislação que têm de ser seguidas e aprovadas por órgãos ambientais, o Ibama, o Departamento Estadual de Proteção de Recursos Naturais e a Associação Brasileira de Normas Técnicas - órgão responsável pela normalização técnica no País. A vistoria das obras passaria pela aprovação da Secretaria do Patrimônio da União (SPU), ligada ao Ministério do Planejamento. Após dois anos e dois meses nada foi feito. JOSÉ CARLOS SALIBA São Paulo A Praia do Tombo, no Guarujá, receberá adaptações para conquistar o Certificado Internacional Bandeira Azul, da organização não-governamental Foundation for Environmental Education (FEE), que tem sede na Dinamarca. A ONG Caá-Oby é a entidade promotora da adoção do certificado. A previsão da Secretaria Municipal de Planejamento e Gestão Financeira é que as obras comecem até o fim deste ano. No projeto estão incluídas reforma do calçadão, melhorias nos acessos aos portadores de necessidades especiais, sinalização, instalação de banheiros, demarcação de vagas para estacionamento de pessoas com pouca mobilidade, colocação de piso podotátil (para deficientes visuais) e a construção da sede do Centro Azul, que funcionará como Centro de Informações Turísticas do Município. A Bandeira Azul é uma certificação internacional instituída cujo objetivo é reconhecer as praias ao redor do mundo, onde as belezas naturais são valorizadas por intermédio da preservação ambiental. Para obter o certificado, a praia candidata passa por um processo de monitoramento durante dois anos. São avaliados 29 critérios, como qualidade da água, informação e educação ambiental, segurança, serviços e infra-estruturas de apoio. PREFEITURA MUNICIPAL DO GUARUJÁ Leitor comenta: É a terceira vez que a Prefeitura dá a mesma resposta. Peço apenas simples rampas para dar acesso à praia a portadores de necessidades especiais, independentemente do tal projeto Selo Azul. Quem lê a resposta tende a concluir que a prefeitura está sendo solícita, mas, infelizmente, é pura embromação. Ela ignora a Lei 10.098/2000, que determina norma ao Poder Público para eliminar obstáculos que impeçam a circulação de pessoas portadoras de deficiência física. As cartas devem ser enviadas para spreclama.estado@grupoestado.com.br, pelo fax 3856-2929 ou para Av. Engenheiro Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900, com nome, endereço, RG e telefone, e podem ser resumidas. Cartas sem esses dados serão desconsideradas. Respostas não publicadas são enviadas diretamente aos leitores.

O Estadao de S.Paulo

20 Outubro 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.