Corpo de Bombeiros/Divulgação
Corpo de Bombeiros/Divulgação

Temer autoriza envio de tropas para o Rio Grande do Norte

A circulação de ônibus está suspensa desde a tarde do sábado; até as 19h deste domingo, cerca de 54 ataques já foram registrados

Monica Bernardes e Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

31 Julho 2016 | 19h27

O Palácio do Planalto confirmou que as Forças Armadas vão atuar no Rio Grande do Norte em Garantia da Lei e da Ordem (GLO), conforme autorizado pelo presidente em exercício Michel Temer. Os detalhes da operação serão fechados nesta segunda-feira.

O efetivo não foi informado pelo Planalto, mas o governo do Rio Grande do Norte publicou em redes sociais que serão 1 mil homens do Exército e 200 fuzileiros navais.

O Governo do Rio Grande do Norte confirmou, no início da noite, que recebeu a autorização, da Presidência da República, o envio de tropas do Exército para atuar no combate a ataques no Estado. A intenção de solicitar o apoio aos militares foi divulgada neste domingo, pelo governador potiguar, Robinson Faria, após uma série de ataques contra ônibus, prédios públicos e pontos comerciais, em retaliação à decisão do Governo de instalar bloqueadores de sinal de celular em presídios locais.

"A decisão se dá a partir de pedido do governador do Estado, Robinson Faria, em virtude do esgotamento dos meios de segurança pública estaduais empregados no combate à onda de violência que assola a região metropolitana de Natal", disse o Planalto em nota. O pedido, anunciado pelo governador mais cedo, foi oficializado nesta noite e encaminhado à Presidência.

O efetivo vai reforçar a segurança no Estado e ajudar a combater a onda de ataques que atinge uma série de municípios potiguares desde a última sexta-feira (29). Os atos de vandalismo são apontados como resposta à decisão do governo estadual de instalar bloqueadores de celulares em um presídio na cidade de Parnamirim, no interior do Estado.

Segundo o governador do Rio Grande do Norte, 52 pessoas foram detidas até agora, suspeitas de envolvimento em casos de incêndios de ônibus, disparos contra prédios públicos, explosivos em uma agência bancária e depredações.

 

Em entrevista coletiva, na noite deste domingo, o governador Robinson Farias, mostrou-se confiante. "Não vamos nos curvar ao crime. Estamos trabalhando dia e noite e o apoio do Governo Federal será muito importante para restabelecermos a normalidade", afirmou.

A presença dos militares é aguardada pelo sindicato das empresas que atuam no transporte público de passageiros. De acordo com o presidente da instituição, Harley Davinson. "A circulação de ônibus está suspensa desde a tarde do sábado. A população está sem poder ir e vir. Mas não há segurança para colocar os veículos nas ruas sem o apoio da PM e do Exército. Há risco real contra as pessoas, sejam passageiros ou funcionários das empresas". A expectativa é de que os veículos voltem a circular a partir das 5h da manhã desta segunda. 

Até as 19h deste domingo, cerca de 54 ataques já foram registrados. De acordo com a Secretaria de Segurança, há casos confirmados em Natal e mais 19 municípios do Estado.

Mais conteúdo sobre:
Natal Força Nacional Incêndio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.