'Temos uma tendência clara de vitória', diz Índio

O candidato a vice na chapa do tucano José Serra (PSDB), Índio da Costa (DEM), disse ontem, em Salvador, que as últimas pesquisas revelam uma "tendência clara de vitória de sua coligação". "A gente está indo muito bem na campanha", avaliou. "Como a gente tinha, lá na primeira pesquisa, 27% e a gente veio crescendo - já estamos em 40 e muitos -, temos uma tendência muito clara de vitória."

Tiago Décimo /SALVADOR, O Estado de S.Paulo

15 Outubro 2010 | 00h00

Na visita que fez à Bahia, Índio, acompanhado pelo deputado ACM Neto (DEM), o mais votado no Estado, com 328.450 votos, fez caminhada de uma hora pelo bairro popular de Pernambués e passeou pelo Mercado Modelo, um dos principais destinos turísticos de Salvador.

Lá, tirou fotos com populares, ouviu conselhos, arriscou passos de capoeira, chegando a fazer o movimento conhecido como estrela, e participou de uma rápida reunião com pastores de igrejas batistas, na qual criticou o que chama de "excessos" do Terceiro Plano Nacional de Direitos Humanos. "O PNDH-3 ameaça a liberdade religiosa e a liberdade de imprensa e garanto que com a gente não haverá nenhum tipo restrição religiosa ou à imprensa", disse. "Se já há tanta corrupção no Brasil com imprensa livre, imagine sem."

Ele aproveitou para cortejar lideranças políticas do PMDB baiano, ainda descontentes com o apoio explícito dado pela candidata petista à Presidência, Dilma Rousseff, ao governador reeleito Jaques Wagner (PT), em detrimento à candidatura do ex-ministro da Integração Nacional Geddel Vieira Lima (PMDB), também integrante da base aliada do presidente Lula.

"Quero deixar um recado claro para o governador da Bahia e para todos os prefeitos do PT, do PMDB e dos outros partidos que apoiam Dilma: vamos tratá-los com o mesmo carinho e a mesma atenção que vamos dar a prefeituras e governos do PSDB, do Democratas e do PPS", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.