Termina rebelião em presídio de Aracaju

Agentes penitenciários e familiares de presos foram mantidos reféns desde a tarde de domingo

Angela Lacerda, texto atualizado às 17h06

16 Abril 2012 | 15h56

RECIFE - Acabou na tarde desta segunda-feira, 16, a rebelião dos detentos do Presídio de Aracaju, onde foram mantidos durante horas vários reféns. Houve um acordo há pouco entre a Polícia e os presos, e rebelião terminou no Complexo Penitenciário Advogado Antonio Jacinto Filho. Todos os 131 reféns - três agentes penitenciários e 128 familiares de presos - foram liberados e os policiais do Batalhão de Choque da PM já iniciaram a revista dos presos dentro do presídio de segurança máxima.

A rebelião durou 26 horas. Ninguém foi ferido.

Pela manhã eles começaram as liberar parte dos reféns e depois aceitaram entregar as armas que haviam retirado do presídio - duas escopetas calibre 38 e uma pistola taser (elétrica).

Os presos iniciaram a rebelião na tarde deste domingo, 15, no horário das visitas. Eles estavam dentro dos pavilhões dos presídios e em parte da laje. Muitos estavam encapuzados e gritavam por mudanças. Os detentos denunciaram maus tratos, pediram a mudança da direção do presídio e agilidade nos processos de audiências por parte do Poder judiciário de Sergipe.

A comissão já pontuou que não haverá mudança da direção, mas o secretário estadual de Segurança Pública, João Eloy, que integrou a comissão de negociação com os rebelados, prometeu apurar as denúncias de maus tratos e espancamentos e vai encaminhar outras reivindicações pertinentes ao Poder Judiciário, a exemplo de mais agilidade nos processos judiciais.

De acordo com assessoria de comunicação da Secretaria de Segurança Pública, o Primeiro Comando da Capital (PCC) liderou a rebelião, que abrangeu os 476 presos do complexo. Os cinco presos que lideraram a rebelião foram transferidos.

Policiais civis e militares de várias unidades especializadas ficaram de prontidão na parte externa e na entrada da unidade prisional durante a rebelião. O Corpo de Bombeiros e o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) também estiveram presentes.

Mais conteúdo sobre:
rebelião presos sergipe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.