1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Tesoureiro da UPP da Rocinha é ouvido sobre caso Amarildo

Thaise Constancio - O Estado de S. Paulo

12 Março 2014 | 19h 31

No total, 5 policiais civis e militares serão ouvidos nesta quarta-feira, na segunda audiência de instrução e julgamento

RIO - A juíza Daniella Alvarez Prado, responsável pelo julgamento do desaparecimento e morte presumida do ajudante de pedreiro Amarildo de Souza, ouvirá cinco policiais militares e civis da Delegacia de Homicídios (DH) nesta quarta-feira, 12. Os depoimentos fazem parte da segunda audiência de instrução e julgamento do caso, ocorrido em 14 de julho.

O soldado Alan Jardim, tesoureiro da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha, zona sul, foi a primeira testemunha de acusação do dia a prestar depoimento e narrou os acontecimentos. Como a imprensa não tem acesso à sala de audiência, todas as informações são repassadas aos jornalistas pela assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça do Rio (TJRJ).

Jardim disse para a juíza que recebeu ordens para fazer um patrulhamento externo com outros policiais, mas não se lembrava de quem tinha partido a ordem. Ele teria ficado no contaîner ao lado da base da UPP e depois foi ordenado a entrar no contaîner de apoio. Segundo ele, todas as câmeras no entorno da UPP da Rocinha estavam desligadas no dia da "averiguação" do ajudante de pedreiro.

O soldado contou que viu uma viatura chegar na UPP com uma pessoa e que, em seguida, ouviu a pergunta: "Você não vai falar?". A frase foi seguida por gritos de sufocamento e gemidos bem altos. "Eram gritos terríveis, enlouquecedores", afirmou durante o depoimento. Ele também teria ouvido barulhos de água "como se estivessem acordando uma pessoa", de acordo com as informações passadas pela assessoria do TJRJ. Em seguida, Jardim ouviu várias pessoas falando. O burburinho foi seguido pelo silêncio e, de repente, pessoas gritando: "Deu m..., deu m...".

No mesmo dia, o soldado recebeu ordens para pegar uma capa de moto e teria ouvido barulho de fita crepe sendo desenrolada no contaîner ao lado. Antes de ir embora, teria visto cinco pessoas se dirigindo para a mata com a capa de moto. O major Edson Santos teria se dirigido para a base.

Como era responsável pela parte administrativa da UPP, Jardim afirmou que, no dia seguinte, foi buscar informações sobre a capa da moto. Recebeu ordens do tenente Luiz Felipe Medeiros, subcomandante da UPP da Rocinha para limpar a capa da moto e se desfazer de uma mesa branca suja de sangue que estava no contaîner, onde, segundo ele, também havia um balde com água e sangue e gotas de sangue no chão.

O soldado afirmou que nunca recebeu ameaças do major Santos ou de outros policiais. Nas redes sociais, no entanto, teria sido ameaçado. Um internauta teria dito que "O bom cabrito não berra". Jardim disse ter receio que alguma coisa aconteça com ele.

Dispensa. A policial civil Alik Rachel Amorim foi dispensada de testemunhar no julgamento sobre o desaparecimento e morte presumida do ajudante de pedreiro Amarildo de Souza. Ela era uma das 20 testemunhas de acusação dos 25 policiais réus no caso. Inicialmente, a juíza da 35ª Vara Criminal do Tribunal de Justoca do Rio (TJRJ), Daniella Alvarez, havia convocado 20 testemunhas. Outras pessoas ainda podem ser dispensadas ao longo do processo.