Título de show ambíguo

Carta 19.686 No dia 16/4 fui ao show Tributo a Tim Maia, com a Banda Black Rio, no HSBC Brasil. O show estava marcado para as 21h30, mas começou só às 22h45. Após três músicas originais da banda, seguidas do comentário do tecladista sobre quanto Tim Maia os influenciou, comecei a desconfiar que, para ouvir algo do rei do soul brasileiro, teria de por um CD no carro, pois a banda não tocou nada do Tim. Depois da terceira música, os Racionais MC passaram a tocar rap - ?que nasceu do grande Tim Maia?, segundo eles. Sentindo-me enganado, procurei o gerente, que me atendeu muito bem e ressarciu o valor do ingresso, explicando não ter controle sobre o repertório da banda. Tim Maia deve estar se revirando no túmulo por usarem seu nome em vão. Ou, assim como ele, que não aparecia nos próprios shows, esse tenha sido um tributo fiel. O ingênuo fui eu... RICARDO BRENER Capital A HSBC Brasil responde: "Lamentamos o ocorrido, mas ratificamos o que foi dito pelo gerente, Rodrigo Demarco, em relação ao repertório dos artistas que se apresentam. A Casa não tem responsabilidade sobre o repertório e não pode influir na sua escolha. A posição tomada diante de clientes que se sintam eventualmente lesados é tomar as providências necessárias e possíveis ou devolver o dinheiro, se for de interesse do cliente, como feito no caso. De qualquer forma, nos comprometemos a encaminhar este e-mail aos produtores e empresários responsáveis pelo show nesse dia, para que fique registrada a reclamação." Carta 19.687 Viagem frustrada Recebi uma herança e programei uma viagem para o Canadá. Tenho amigos em Vancouver e Quebec, pretendo chegar ao país em setembro, para apreciar a mudança de estação. Estive em São Paulo, pronto para ir ao Consulado Geral do Canadá, com todos os documentos necessários, inclusive visto americano, declaração de renda e extratos de contas bancárias e investimentos. Com os formulários preenchidos, fiquei das 8h30 às 11h33 tentando ligar - mas, pelo visto, marcar hora para entrega pessoal dos documentos pode levar 30 dias, ou o cidadão terá de contratar um despachante que embolsará R$ 150. Hoje, 29/4, soube que só posso marcar para 2/6. O consulado de um dos países mais evoluídos do mundo está muito atrasado nos procedimentos. Também não tem ouvidor, e no processo de marcar hora para conseguir visto desligaram o telefone 8 vezes. Agradeço a atenção, mas decidi voltar para minha pousada em Santa Catarina, dar férias para todo mundo, e desfrutar o meu descanso lá. HENRIQUE SCHUCMAN Garopaba/SC O setor de vistos responde: "É possível apresentar o pedido de visto no consulado geral pessoalmente, mediante marcação, ou usando o serviço de um portador, que pode ser agência de viagem, despachante consular ou um representante legal de livre escolha. O setor informa, no site www.brazil.gc.ca e pelo sistema de gravação, que o governo canadense não se responsabiliza pela competência ou confiabilidade dos portadores. Também não é a entidade que os regula ou controla no que se refere à cobrança pelo serviço prestado. Os pedidos podem ser feitos pessoalmente, mas com agendamento prévio, a fim de assegurar conforto, segurança e um rápido atendimento nos horários de público. Recomendamos que os pedidos sejam feitos pelo menos 6 semanas antes do início da viagem; o tempo de espera para marcar dia está atualmente em 4 semanas, com previsão de aumento durante a alta estação, que vai de maio a agosto. Agradecemos o interesse do leitor pelo Canadá." O leitor comenta: As seis semanas citadas aparecem no site como um mês - ou seja, 14 dias a menos, e o agendamento deve ser feito das 11 às 12h30. O interessado em marcar hora ouve música clássica de boa qualidade, quando consegue que a máquina eletrônica o atenda, para depois ouvir uma gravação dizendo que a data limite é, p. ex. a partir do dia tal. Quando é finalmente atendido por um ser humano (ou um robô com sangue?), ouve que a data já é vários dias depois. A desculpa é que nesses minutos muitas pessoas marcaram hora. Tudo isso é feito para os interessados caírem nas mãos dos despachantes (aliás, como dizem, ?portadores?). E como é que eles conseguem fazer tudo em uma semana? Agradeço o serviço, mas é inútil. Desisti de visitar esse país, há outros lugares. Meus amigos canadenses, que já estiveram no Brasil, devem retornar, e voltarão satisfeitos com a hospitalidade. Correspondência para São Paulo Reclama: e-mails para spreclama.estado@grupoestado.com.br; cartas para Av. Eng.º Caetano Álvares, 55, 6.º, CEP 02598-900 ou fax 3856-2929, com nome, end., RG e tel., a/c de CECILIA THOMPSON, podendo ser resumidas a critério do jornal. Cartas sem esses dados não serão consideradas. As respostas não publicadas serão enviadas pelo correio.

O Estadao de S.Paulo

22 Maio 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.