TJ nega habeas corpus e prefeito suspeito de desvio de recursos continuará preso

MATO GROSSO DO SUL

, O Estado de S.Paulo

20 Outubro 2010 | 00h00

A situação do prefeito de Dourados (MS), Ari Artuzi (sem partido) é "muito comprometedora" e, por isso, ele continuará preso em Campo Grande. Foi o que decidiram os desembargadores do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJ-MS), ao negar pedido de habeas corpus feito pelo advogado Carlos Marques.

Artuzi (foto) está preso em uma delegacia da Polícia Civil desde 1.º de setembro, quando foi preso pela Polícia Federal em Dourados. Ele é acusado de ser o chefe de um grupo de políticos, empresários e funcionários municipais, envolvido em golpes contra a prefeitura avaliados até agora em R$ 45 milhões. Segundo o desembargador Manoel Mendes, "a prisão de Ari Artuzi deve ser mantida para preservar a ordem em Dourados".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.