AFP Photo|Evaristo Sa
AFP Photo|Evaristo Sa

Torquato diz que intervenção no Rio 'servirá para aperfeiçoar democracia'

Em nota, ministro da Justiça se limitou a dizer que o decreto obedece Constituição e ordenamento jurídico

Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

16 Fevereiro 2018 | 20h54

BRASÍLIA - O ministro da Justiça, Torquato Jardim, afirmou na noite desta sexta-feira, por meio de nota, que o decreto de intervenção da União na segurança pública do Estado do Rio de Janeiro obedece rigorosamente o rito constitucional. "Para que se realize a intervenção, a Carta manda que se submeta o decreto ao Congresso Nacional no prazo de 24 horas para deliberação por maioria simples", destacou.

+ Cessar intervenção para votar Previdência pode ser inconstitucional, dizem especialistas

+ Crise põe ministro da Justiça na berlinda

Torquato, que é advogado e participou das reuniões com o presidente Michel Temer para decidir pelo decreto, ressaltou ainda que, em seus artigos 90 e 91, a Constituição estabelece também que se pronunciem dois órgãos consultivos da Presidência da República - o Conselho de Defesa Nacional e o Conselho da República. "A Carta, porém, não define que tais consultas devem ser feitas antecipadamente. Ademais, frise-se, ambos são órgãos meramente consultivos, sem qualquer poder de deliberação", afirmou. 

+ ENTENDA: Os principais pontos sobre a intervenção

Para reforçar o coro de ministros que rebateram a tese de que o decreto poderia colocar em risco a democracia, Torquato disse que "é importante repetir que a intervenção na segurança pública do Estado do Rio de Janeiro cumpre estritamente o ordenamento jurídico brasileiro e servirá para aperfeiçoar a democracia no nosso País."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.