1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Tranca de porta-malas da Blazer da PM que arrastou mulher não tinha defeito

Marcelo Gomes - O Estado de S. Paulo

18 Março 2014 | 12h 21

Apesar de laudo da perícia, oficial da Polícia Militar do Rio disse que dobradiça foi danificada em protesto de moradores; eles se revoltaram com a morte de Claudia Silva Ferreira, de 38 anos, baleada no domingo

RIO - Perícia realizada nessa segunda-feira, 17, pelo Centro de Criminalística da Polícia Militar na Blazer que arrastou Claudia Silva Ferreira, de 38 anos, por ruas da zona norte do Rio, no domingo, 16, constatou que a tranca da porta traseira não estava danificada.

Entretanto, segundo o comandante do 9º Batalhão da PM, tenente-coronel Wagner Moretzsohn, os peritos verificaram que a dobradiça da tampa do porta-malas (onde Claudia foi colocada pelos policiais para ser levada ao hospital depois de ter sido baleada) foi amassada por moradores do Morro da Congonha, em Madureira. Eles se revoltaram ao descobrir que a mulher havia sido ferida durante a operação policial na comunidade realizada na manhã de domingo.

"A tranca do porta-malas não estava danificada, apenas a dobradiça, que ficou amassada. Os policiais me disseram que os moradores atacaram a viatura e amassaram as portas laterais e traseira. E como a vítima estava baleada, tiveram que socorrê-la o mais rápido possível. Na pressa, talvez não tenham fechado a porta traseira corretamente. Ou então, com o dano na dobradiça, pode ser que a porta tenha aberto sozinha, com o carro em movimento. De qualquer maneira, decidi prendê-los em flagrante porque considerei inadequada e desumana a forma que eles socorreram a vítima. Agora só sairão da prisão por ordem de um juiz", disse Moretzsohn ao Estado.

Foi o oficial quem determinou a prisão em flagrante dos 3 PMs do 9º Batalhão que participaram do socorro a Claudia. Os policiais foram identificados como subtenentes Adir Serrano Machado e Rodney Miguel Archanjo, e sargento Alex Sandro da Silva Alves. Os três foram enquadrados no crime de "deixar, no exercício de função, de observar lei, regulamento ou instrução, dando causa direta à prática de ato prejudicial à administração militar", previsto no artigo 324 do Código Penal Militar. A pena prevista para o crime é de até um ano de detenção. Os três só sairão da cadeia por ordem de um juiz da Auditoria Militar.

Após prestarem depoimento à Corregedoria da Polícia Militar nesta segunda-feira, os três policiais foram encaminhados ao presídio Bangu 8, na zona oeste da cidade. Isso porque o Batalhão Especial Prisional (BEP) da PM, em Benfica, na zona norte, foi interditado pela Vara de Execuções Penais (VEP), depois que uma operação do Ministério Público encontrou uma série de "regalias" no local, como aparelhos de ar condicionado, computadores e até latas de cerveja. A inspeção foi realizada na segunda-feira de Carnaval.

Em comunicado divulgado na noite desta segunda-feira, a PM disse que repudia a forma como Claudia foi socorrida, ou seja, no porta-malas da viatura. Segundo a corporação, o procedimento correto é colocar a vítima no banco traseiro.

"Com relação à conduta dos policiais ao levarem a vítima no porta-malas, cabe esclarecer que esta prática não condiz com o processo de formação empregado nos Centros de Ensino da corporação. O Comando da Polícia Militar repudia totalmente este procedimento. Nos casos em que, conforme a avaliação do policial, há possibilidade de socorro para pessoas baleadas, o procedimento adequado é o socorro da vítima no banco traseiro da viatura. Desta forma, é possível dar amparo à vítima até a chegada a uma unidade de saúde. No entendimento dos policiais da ocorrência, havia dificuldades de atendimento para uma ambulância devido ao confronto com traficantes, então em andamento, o que os levou a socorrer Cláudia".

O texto diz ainda que "o Comando da Corporação reitera seu compromisso de ser uma Polícia Militar ao serviço ao cidadão e mais uma vez afirma que não compactua com a conduta destes policiais, que serão rigorosamente investigados".

Numa nota de três linhas, o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, repudiou a atitude dos policiais.