Arnaldo Carvalho/Jc Imagens
Arnaldo Carvalho/Jc Imagens

Tripulação da Noar não tinha controle da aeronave, indica exame preliminar

Apesar de não ser conclusivo, gestor do IC afirma que exame leva à hipótese de falha mecânica do avião que caiu em Recife nesta quarta-feira, matando as 16 pessoas a bordo

Angela Lacerda - O Estado de S. Paulo,

16 Julho 2011 | 12h34

RECIFE - Perícia realizada no local do acidente do LET410 da Noar Linhas Aéreas por técnicos do instituto de Criminalística de Pernambuco indica que a tripulação não tinha controle da aeronave no momento da queda. "Não foi observada nenhuma marca que indicasse tentativa de aterrissagem", afirmou o gestor do IC, Luiz Carlos Soares. "Houve um impacto pontual da aeronave sobre o solo, localizado".

 

Segundo ele, embora ainda preliminar, o exame leva à hipótese de falha mecânica da aeronave. "Mas não podemos ser categóricos e nem tampouco temos elementos para dizer se houve falha do motor ou de qualquer outra peça", destacou, ao observar que estes dados serão complementares às informações apuradas pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes (Cenipa) da Força Aérea Brasileira (FAB).

 

O LET410, que fazia o voo 4896 com destino a Mossoró (RN), com escala em Natal, decolou na quarta-feira, 13, às 6h51, do Aeroporto dos Guararapes. Cinquenta e cinco segundos depois, a tripulação entrou em contato com a torre de controle informando estar com problemas. Menos de quatro minutos depois, caiu num terreno vazio na beiramar de Boa Viagem, quando supostamente tentava retornar ao aeroporto.

 

 

 

Luiz Carlos Soares disse ter montado uma equipe especial - formada pelo engenheiro elétrico Gilmário Lima, o físico Paulo Gustavo Xavier e o biólogo especialista em explosivos Diego Costa - para fazer o levantamento da área. A perícia indicou também que a maioria das vítimas estava concentrada na parte dianteira do avião, logo atrás da cabine dos pilotos.

 

Segundo ele, a análise minuciosa dos peritos, que registraram sinais característicos de cada uma das 16 vítimas - dois tripulantes e 14 passageiros - foi importante para ajudar na identificação dos corpos pelo Instituto de Medicina Legal (IML). Treze foram identificadas. Uma depende de exames dentários para conclusão da identificação e duas dependem de exame de DNA que está sendo realizado em Salvador.

 

Dos 13 identificados, quatro corpos foram sepultados nesta sexta-feira, 15, no Cemitério Morada da Paz, município metropolitano de Paulista. Há previsão de mais quatro sepultamentos para este sábado - um deles em Fortaleza. Três seriam cremados também hoje - dois no Morada da Paz e um no Memorial Guararapes, município metropolitano de Jaboatão dos Guararapes.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.