Tucano adota 'Serrinha', inspirado em 'Kassabinho'

Boneco inflável faz parte da estratégia tucana para humanizar presidenciável e apresentá-lo como um candidato 'do bem'

, O Estado de S.Paulo

06 Outubro 2010 | 00h00

Com o início do horário eleitoral gratuito em rádio e televisão, na sexta-feira pela manhã, a campanha do PSDB pretende humanizar o candidato José Serra e insistir na tese de apresentá-lo como um candidato "do bem", como no primeiro turno.

Serão reeditadas ideias bem sucedidas das disputas anteriores e que já resultaram na vitória do próprio Serra e de aliados. Uma das medidas será a criação de um boneco inflável chamado "Serrinha", que participará de caminhadas e eventos com o candidato - as imagens serão captadas e depois usadas no programa.

A proposta atende à tentativa de tornar o candidato mais próximo do eleitorado e foi usada na disputa municipal de 2008, na reeleição de Gilberto Kassab (DEM), pela mesma equipe de marketing que está trabalhando na campanha presidencial. Na eleição anterior, o "Kassabinho" foi tido como um dos gols marcados pelos marqueteiros.

A estreia de "Serrinha", em animação, já ocorreu nos programas da TV no primeiro turno da campanha. Antes mesmo do programa eleitoral começar, foram feitas algumas versões do boneco. Na primeira, "Serrinha" ficou com cara de Tancredo Neves e, na segunda, parecia o ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda.

Ontem, o comando da campanha tucana se reuniu no comitê do PSDB, no centro de São Paulo, para discutir alguns pontos da segunda fase da disputa. A distribuição de material foi um dos assuntos discutidos.

A produção de adesivos, folders, banners e do próprio "Serrinha" deve começar apenas na semana que vem. Os pilotos que circulavam ontem reeditavam o mote "Serra é do bem", que vem sendo usado na campanha tucana desde o primeiro turno. A expressão, na verdade, nasceu em 2004 quando o tucano disputou e venceu a prefeitura paulistana.

A quantidade de material para a segunda etapa da campanha não está definida. "Depende de quanto dinheiro tivermos", afirmou Sergio Kobayashi, responsável pela área. No primeiro turno houve críticas sobre a ausência de material para divulgar a candidatura de Serra. Os responsáveis pela arrecadação disseram ontem ao Estado que estão otimistas com a nova fase da campanha e a perspectiva de aumentar a captação de recursos. / A.P.S. e J.D.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.