Um ator para duas campanhas

Beto Schulz, que hoje aparece no horário eleitoral de Dilma Rousseff, apresentou programa do rival da petista há dois anos

Moacir Assunção, O Estado de S.Paulo

16 Outubro 2010 | 00h00

O ator e diretor de cinema Beto Schulz, de 35 anos, que apresenta alguns programas de TV da campanha da petista Dilma Rousseff, inclusive um no qual compara a administração do presidente Lula com o governo de Fernando Henrique Cardoso, trabalhou para o rival da petista, José Serra (PSDB), há dois anos. Na ocasião, Schulz apresentou, em meio a muitas referências elogiosas, o programa de 20 anos do PSDB.

No programa do PT, Schulz, nascido no Paraná em 1976, de descendência alemã, traça um paralelo entre os governos de Lula e FHC, afirmando que no do petista "foram criados 14 milhões de empregos com carteira assinada e somente 5 milhões" no período do tucano na Presidência. "No tempo de FHC e Serra era assim: carro, coisa de rico, carne na mesa, coisa de rico, universidade, coisa de rico; futuro incerto, coisa de pobre. Luz na fazenda, coisa de rico, escuridão na roça, coisa de pobre. Para eles, apenas os ricos tinham direito de ser feliz."

No programa do PSDB, há dois anos, a conversa era diferente: "Não faz muito tempo, o Brasil tinha milhares de crianças fora da escola. Aí, um partido feito por pessoas que dão importância à educação decidiu mudar esta coisa: fez a Bolsa-Escola, os remédios genéricos, um programa contra a aids que é referência no mundo. Esse partido é o PSDB", afirma, diante de outros atores que seguram placas com letras formando os nomes dos programas.

Fé. Procurado pelo Estado, Schulz preferiu não comentar a contradição. Diretor, junto com Thiago Luciano, do curta Um dia de Ontem, estrelado pelo ator Caco Ciocler e premiado com a melhor trilha sonora no 33.º Festival Internacional de Cinema, realizado em São Paulo no ano passado, ele também dirigiu um filme de título emblemático para o estágio atual da campanha, em que se discutem temas ligados à religiosidade: O poder e a fé.

Segundo a sinopse, o filme conta a história de Matheus, um trabalhador nordestino que veio tentar a vida em São Paulo e se vê diante de um dilema entre o poder e a sua fé em Deus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.