1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

União e Estados dão 15 dias para que Samarco deposite R$ 2 bi

- Atualizado: 19 Janeiro 2016 | 21h 27

Em ação, empresa deve pagar, no total, R$ 20 bilhões; parcela inicial deveria ser paga até esta quarta-feira

BELO HORIZONTE - A Advocacia-Geral da União (AGU), os governos de Minas e Espírito Santo e a Samarco fecharam nesta terça-feira, 19, acordo que estende por mais 15 dias o prazo para a empresa depositar R$ 2 bilhões da ação judicial de R$ 20 bilhões movida pela União e pelos dois Estados contra a mineradora e suas controladoras, Vale e BHP Billiton. O valor será usado para a implementação do plano inicial de recuperação ambiental, depois do rompimento da barragem de rejeitos de minério em Mariana, no dia 5 do mês passado, que deixou 17 mortos. Duas pessoas continuam desaparecidas.

De acordo com a decisão da 12.ª Vara da Justiça Federal em Belo Horizonte, o montante parcial deveria ser depositado hoje. A lama poluiu o Rio Doce e parte do litoral norte do Espírito Santo, onde o rio deságua.

A Samarco, em nota, informou que, com seus acionistas, trabalha “com as autoridades federais e estaduais em um acordo voltado para a continuidade das ações para remediar os impactos socioambientais decorrentes do rompimento da Barragem de Fundão”. Nesta terça, foram definidos grupos de trabalho para a atuação imediata.

Segundo o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, que participou de reunião com representantes dos governos estaduais e das três empresas, a opção por mais prazo foi para decidir o que exatamente será feito com os recursos. “O problema não é depositar o dinheiro. É saber o que será feito e como isso será financiado”, disse.

Acordo. O procurador-geral do Espírito Santo, Rodrigo Rabelo, afirmou que a gestão dos recursos a serem direcionados para a cobertura dos danos ambientais deverá ficar a cargo de uma fundação a ser criada com a participação do comitê da Bacia do Rio Doce e entidades ambientais. “O importante é que as três empresas aceitaram as diretrizes básicas do acordo.” 

A expectativa é de que o acordo e o plano para recuperação seja levado à presidente Dilma Rousseff até o fim deste mês. 

A presidente do Ibama, Marilene Ramos, que também participou da reunião, disse que as ações a serem incluídas no plano envolvem questões de saneamento básico para a população atingida e a cobertura vegetal. 

Lavras. Ainda sobre a mesma ação, a Vale informou nesta terça que entrou com recurso para tentar reverter a decisão que prevê a indisponibilidade de lavras da empresa no País. 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em BrasilX