Único ex ausente no almoço, Lula é criticado por FHC

Tucano elogia Dilma pelo ''convite pessoal'' e ironiza seu sucessor, que jamais o convidou para nada: ''Achou que não era necessário''

Lisandra Paraguassu e Leandro Colon, O Estado de S.Paulo

20 Março 2011 | 00h00

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, chamado por Barack Obama de "o cara", foi o único ausente entre os ex-chefes de Estado brasileiros convidados para participar do almoço oficial ontem no Itamaraty com o presidente americano. Lula foi convidado, mas preferiu ficar em São Bernardo para comemorar o aniversário de um de seus filhos.

Lula não aceitou o convite para o almoço com Obama para evitar constrangimentos diplomáticos já que a relação entre ambos ficou estremecida por conta de posições políticas do petista favoráveis ao Irã. Informalmente, a desculpa pela ausência é que Lula está de "quarentena" e não quer que sua presença, em solenidades oficiais, rivalize com a da presidente Dilma Rousseff.

É praxe do Ministério das Relações Exteriores convidar os ex-presidentes para eventos importantes no Itamaraty. A presidente Dilma Rousseff, porém, telefonou para Fernando Henrique Cardoso para convidá-lo. No discurso ontem, Dilma saudou FHC durante o brinde. Também estavam presentes os ex-presidentes Itamar Franco, Fernando Collor de Mello e José Sarney.

"Achei uma gentileza, senão não teria vindo", disse Fernando Henrique sobre o convite da presidente. "Em matéria de Estado, quando se está representando o País, não cabem divisões partidárias. A presidente Dilma demonstrou que tem compreensão correta dessa matéria", afirmou.

O tratamento igualitário dado por Dilma aos ex-presidentes, apesar de sua proximidade com Lula, foi elogiado por FHC. "Não é necessário tratar um como Deus e outro como demônio. "Aí não dá", afirmou.

Fernando Henrique ironizou o fato de o petista, na condição de presidente, nunca tê-lo convidado, como fez Dilma. "É que o Lula é meu amigo de tantos anos atrás e achou que não era necessário", afirmou. E alfinetou: "O Lula, quando eu era presidente, esteve comigo. Muitas vezes".

Passado. A relação de Lula com Obama esfriou no final do mandato do brasileiro por causa da negociação do Brasil com o Irã em torno do programa nuclear iraniano. Lula, em parceria com o governo turco, negociou para que o regime iraniano não fosse alvo de sanções do Conselho de Segurança das Nações Unidas, mas foi mal sucedido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.