Vinci deve vencer disputa por operadora portuguesa ANA, dizem fontes

Portugal deve atingir a meta de receita obtida com privatizações com a venda da operadora de aeroportos ANA para a construtora francesa Vinci, em uma operação avaliada em mais de 3 bilhões de euros (3,97 bilhões de dólares), segundo fontes.

Reuters

27 Dezembro 2012 | 11h34

A Vinci foi escolhida pelo elevado valor de sua oferta pela ANA em relação às demais propostas finais, da alemã Fraport, da suíça Flughafen --cujo consórcio também conta com a brasileira CCR-- e do grupo de infraestrutura argentino Corporacion America, afirmaram fontes com conhecimento do assunto à Reuters.

Lisboa está sob pressão para arrecadar o maior valor possível com a venda de ativos estatais após concordar em levantar 5,5 bilhões de euros até o fim de 2013 como parte do acordo no pacote de resgate de 78 bilhões de euros da União Europeia e do Fundo Monetário Internacional (FMI).

"A oferta da Vinci é tão alta que foi colocada no topo da lista para avaliação. A análise preliminar foi para recomendar a Vinci, por sua oferta financeira e por parâmetros no geral", disse uma das fontes.

Representantes do governo português disseram que o gabinete ainda estava reunido e não tinham comentários imediatos.

A Vinci não quis comentar.

(Por Sophie Sassard e Sergio Gonçalves)

Mais conteúdo sobre:
AEREAS PORTUGAL ANA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.