Visita é em momento 'oportuno', diz papa sobre protestos no Brasil

Em entrevista a jornalistas que o acompanham no voo ao País, Francisco também alertou para impacto da crise econômica na vida dos jovens

Jamil Chade, a bordo do avião do papa, O Estado de S. Paulo

22 Julho 2013 | 09h53

O papa Francisco alerta que a crise mundial ameaça transformar uma geração inteira de jovens em uma geração perdida, e que muitos podem jamais encontrar um trabalho. Em declarações durante o voo entre Roma e o Rio de Janeiro, o papa deixou claro sua preocupação social e, diante dos protestos no Brasil, confirmou: "sua visita vem em um momento muito oportuno".

Menos de duas depois de decolar, sobrevoando o deserto do Saara, o papa saiu da primeira classe e se encontrou com os jornalistas no fundo do avião. Não aceitou perguntas, alegando que não sabe dar entrevistas.

Numa declaração feita entre as poltronas do avião e cercado por jornalistas, o argentino revelou sua preocupação com a exclusão social de jovens e idosos. "Essa primeira viagem é para encontrar os jovens. Mas não no isolamento e sim no contexto de sua sociedade. Quando isolamos os jovens, fazemos uma injustiça. Eles pertencem a uma família, a uma cultura, a um país, a uma fé. Não podemos isolá-los da sociedade", disse o papa. "Por isso quero encontrá-los em seu tecido social", insistiu. "É verdade que a crise mundial não tem sido suave com os jovens. Li na semana passada quantos deles estão sem trabalho e acho que corremos o risco de criar uma geração que nunca trabalhou", alertou o papa. "Trabalho dá dignidade a pessoa e a habilidade de ganhar o pão. A juventude está em crise", alertou. "Estamos acostumados com uma cultura descartável. Fazemos isso com frequência com os idosos e, com a crise, estamos fazendo o mesmo com os jovens. Precisamos de uma cultura de inclusão", apelou o papa.

Para ele, o problema não é apenas o isolamento dos jovens. "É verdade que são o futuro do povo, que têm energia. Mas eles não são os únicos que representam o futuro, os idosos também. Os jovens são porque são fortes e os velhos porque têm a sabedoria", declarou. "Algumas vezes somos injustos com os velhos, como se não tivessem nada a nos dar. Mas eles têm a sabedoria de história, pátria e família que precisamos", disse o papa. Mantendo sua simplicidade, ele pediu aos jornalistas que o ajudassem na viagem "para o bem da sociedade", e concluiu com sua declaração que já virou tradicional, "um abraço a todos".

Mais conteúdo sobre:
papa protestos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.