Vôo do presidente da Infraero atrasa 3 horas em Brasília

Segundo a Infraero, 20,2% dos vôos previstos até às 10 horas tem atrasos

Agencia Estado

02 Julho 2007 | 19h16

O fato do brigadeiro José Carlos Pereira ser presidente da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) não fez com que ele não sofresse com os atrasos nos aeroportos do País. Pereira teve que aguardar por cerca de três horas no Aeroporto Presidente Juscelino Kubitschek, em Brasília, para embarcar para o Rio de Janeiro. A assessoria da Infraero informou que o vôo 1821 da Gol, no qual ele viajou para o Rio, partiu às 9h59, enquanto a saída era prevista para as 7 horas desta segunda-feira, 2. De acordo com boletim divulgado pela Infraero, 20,2% dos vôos previstos até às 10 horas desta segunda tiveram atrasos superiores a uma hora. Durante o fim de semana, os passageiros enfrentaram longas filas nos aeroportos do País. No domingo, o índice de atrasos superiores a uma hora chegou a 34,2% dos 1.620 vôos entre meia-noite e 22 horas e o de cancelamentos, a 9,8%. Mau tempo Para a Infraero, o problema do fim de semana foi causado pelos nevoeiros que afetaram aeroportos desde sexta-feira e estaria solucionado nesta segunda. Mas a Anac vai investigar a hipótese de erros operacionais das companhias aéreas terem agravado a situação, com overbooking ou um cronograma de vôos muito apertado, sem previsão de reserva de aviões e pessoal para atender a imprevistos. A Superintendência de Serviços Aéreos da Anac vai começar a auditar nesta segunda as vendas de passagens. Entre as hipóteses a serem apuradas está a de que houve excesso de oferta de assentos por conta do início das férias de julho e pelo ganho operacional previsto com a liberação da pista principal do Aeroporto de Congonhas, na zona sul da capital paulista. A Anac admitiu, porém, que a infra-estrutura precária usada para desafogar aeroportos como Congonhas e Cumbica tem ajudado pouco no combate ao caos.

Mais conteúdo sobre:
crise aérea Aeronáutica Infraero Anac

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.