Weslian treina com marqueteiro que era 'inimigo'

Depois de tornar-se celebridade nacional pelo desempenho modesto em dois debates na TV e deixar transparecer que desconhecia até os termos réplica e tréplica, Weslian Roriz (PSC) está passando por treinamento intensivo de media training. O primeiro resultado foi abandonar o teleprompter que a deixava engessada nos programas eleitorais. Os novos comerciais exibem uma Weslian mais espontânea e desenvolta, conversando "informalmente" com o telespectador.

Rafael Moraes Moura, Carol Pires / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

21 Outubro 2010 | 00h00

O intensivão é comandado pelo novo marqueteiro da campanha, Dimas Thomas, que antes de 3 de outubro moldava o discurso anti-PT e anti-Roriz do candidato Toninho do PSOL. Nas propagandas que foram ao ar nos últimos dias, Weslian adota a mesma estratégia usada pelo marido na pré-campanha, quando protagonizava inserções na TV se dizendo "indignado" com o escândalo do "mensalão do DEM". Já na campanha, Roriz chegou a admitir que o esquema de corrupção que derrubou o ex-governador José Roberto Arruda pode ter começado em seu governo.

Enquanto as manhãs são dedicadas às gravações, as tardes são preenchidas por comícios e carreatas. A estratégia da campanha no segundo turno é sustentada por dois pilares: propaganda na TV e corpo a corpo. Apesar do treinamento intensivo, o eleitor ainda não tem como saber se o desempenho de Weslian pode ter melhorado nos debates.

Alçada a assunto mais comentado do Twitter após gafes como a frase "vou defender toda aquela corrupção", Weslian faltou aos dois primeiros confrontos na TV contra o adversário Agnelo Queiroz (PT) e também deve se ausentar do debate previsto para esta manhã na rádio CBN.

"Gostaria que ela fosse, mas quem assiste a debate às 22h? Trabalhador, que é o grande voto do Roriz, já tá dormindo para acordar cedo", avalia o vice de Weslian, Jofran Frejat (PR). Sobre os equívocos cometidos pela ex-primeira dama do DF, Frejat questiona: "Quem é que de vez em quando não tem ato falho?"

A última participação de Weslian na TV foi em entrevista ao jornal DF-TV, da Rede Globo. O entrevistador foi duro e lhe entregou cópias das condenações de Roriz na Justiça. Ela aceitou os documentos em silêncio, mas confessou a aliados que queria ter dito ao repórter que tivesse ele a coragem de afrontar o ex-governador e não ela. Weslian se mostrou simpática na entrevista, mas voltou a ser atacada por ter admitido desconhecer o próprio plano de governo.

Representações. Enquanto Agnelo e Weslian não voltam a se enfrentar pessoalmente, as campanhas brigam na Justiça Eleitoral. Weslian moveu 4 ações contra o petista e uma contra o Google (para tirar do ar vídeos de paródias sobre ela). Agnelo fez 17 representações contra a rival.

O programa do PSC de ontem ironizou a Justiça Eleitoral. "Nem o Tribunal Regional Eleitoral, nem o Tribunal Superior Eleitoral, nem o Supremo Tribunal Federal mudam a vontade do povo. Sai Roriz, entra Roriz. Porque é Roriz que o povo quer", diz o locutor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.