JOSE LUCENA/FUTURA PRESS
JOSE LUCENA/FUTURA PRESS

Acusados de matar embaixador grego vão a júri popular

Crime teria sido arquitetado pela mulher do diplomata e um PM, amante dela; dupla contou com a ajuda de um primo do policial

Fábio Grellet, O Estado de S. Paulo

03 Julho 2017 | 19h25

RIO - Os três acusados pela morte do embaixador grego Kyriakos Amiridis, assassinado em 26 de dezembro passado em Nova Iguaçu (Baixada Fluminense), serão submetidos a julgamento pelo júri popular. A decisão foi do juiz Antonio Lucchese, da 4ª Vara Criminal de Nova Iguaçu. Os acusados são Françoise de Souza Oliveira, que era casada com o embaixador, o policial militar Sérgio Gomes Moreira Filho e seu primo Eduardo Moreira Tedeshi. Todos estão presos preventivamente.

Amiridis foi assassinado dentro de casa, no centro de Nova Iguaçu. O diplomata teria sido atacado na sala e sofreu lesões que provocaram hemorragia interna. Segundo o Ministério Público, Françoise tinha um relacionamento extraconjugal com Sérgio Gomes, com quem articulou a morte do marido. O policial foi auxiliado por Tedeshi.

"Segundo se observa dos autos, existiria um relacionamento entre Françoise, companheira da vítima, e Sergio, e há a versão sustentada pelo Ministério Público, lastreada em elementos colhidos em sede policial, de que ambos, juntamente com Eduardo, arquitetaram um plano para ceifar a vida de Kyriakos, havendo, noutro giro, outra versão, a defensiva, de que Sergio apenas teria ido à residência da vítima para saber das pretensas agressões que teria praticado contra Françoise até que, em luta corporal, houve a morte de Kyriakos. Contudo, neste conflito de versões, depreende-se que os elementos coligidos aos autos são indicativos de que existem os indícios de autoria por parte dos acusados", escreveu o juiz em sua decisão.

 

Mais conteúdo sobre:
Nova Iguaçu

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.