Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Brasil » 'Agi em legítima defesa', diz delegado que atirou em fiel no Rio

Brasil

'Agi em legítima defesa', diz delegado que atirou em fiel no Rio

Henrique Pessoa afirmou que foi agredido e hostilizado e admitiu que, ao efetuar disparo, sabia da possibilidade de acertar alguém

0

Tiago Rogero,
O Estado de S. Paulo

04 Setembro 2014 | 14h21

RIO - O delegado Henrique Pessoa, preso por tentativa de homicídio após disparar contra um homem em audiência de conciliação na noite desta quarta-feira, 3, em Copacabana, na zona sul, deixou a delegacia às 12h43, após ser beneficiado por um pedido de liberdade provisória concedido no plantão judiciário. Ao sair da 13ª DP (Ipanema), onde passou a noite, o delegado afirmou que agiu em legítima defesa após ser agredido e hostilizado por um grupo de fiéis.

Pessoa, entretanto, admitiu que, ao efetuar o disparo, sabia da possibilidade de que alguém fosse atingido. "Essa é uma possibilidade toda vez que você faz um disparo naquelas circunstâncias, mas o intuito era de me defender plenamente", justificou o policial.

O delegado informou que vai fazer exame de corpo de delito e registrar boletim de ocorrência por conta das agressões.

"Eu fui linchado. Tomei chute, caí ao lado de um carro, tomei chute na cabeça e nas pernas, nas costas, precisaram dois policiais e dois populares me cobrirem com seus corpos ou a coisa teria sido muito mais grave", afirmou, sem admitir ter dado uma cabeçada no pastor da Geração Jesus Cristo, Tupirani da Hora Lores - entretanto, mais cedo, o advogado de Pessoa, Alexandre Dumans, havia confirmado a agressão. 

"Ele (o pastor) fez uma convocação pública para a audiência, compareceram pelo menos 16 pessoas, e no momento em que saía da sala eu fui cercado, hostilizado, eles me fecharam a saída e eu fui obrigado a tentar abrir, até com uma certa virilidade. E à medida em que fui saindo e eles se dirigiram a mim, fui obrigado a fazer uso da arma para tentar me preservar", afirmou o delegado.

O delegado alegou que é perseguido por Tupirani há cinco anos. "Desde 2009 que esse pastor me persegue, agride, denigre, faz referências maldosas, nada elogiosas em relação a mim, minha atividade profissional, minha filha, minha esposa", declarou. "E ultimamente eu tenho processado ele judicialmente. Eu nunca tomei outra atitude se não por medidas judiciais cabíveis, seja no âmbito civil o criminal", disse.

Já o advogado Dumans lembrou que Pessoa realizou apenas um disparo. "Se ele quisesse matar alguém, teria disparado logo cinco, seis tiros de uma vez. Mas deu um só, para baixo, o que prova a legítima defesa."

O caso está sendo investigado na 12ª DP (Copacabana), mas, por ser um policial civil, o delegado ficou preso em outra unidade, para não haver interferência nas investigações.