FABIO MOTTA/ESTADÃO
FABIO MOTTA/ESTADÃO

Animais do Zoo do Rio ganham ceia natalina

Aves, panetones, nozes e avelãs foram embalados para presente e servidos ao bichos, para que experimentem sabores diferentes

Clarissa Thomé, O Estado de S. Paulo'

23 Dezembro 2014 | 18h02

RIO - Aves natalinas, panetones, nozes e avelãs. A típica ceia de Natal foi servida na manhã desta terça-feira, 23, a um público não tão típico: os animais do Jardim Zoológico do Rio. Para completar a festa, as iguarias foram embaladas para presente.

As ceias foram variadas. As elefantas Carla e Koala receberam frutas natalinas, como ameixas, pêssegos e seus alimentos preferidos: cana-de-açúcar e capim. Os chimpanzés Paulinho e Pipo, os orangotangos e outros primatas ganharam embalagem de luxo: uma cesta de vime, encoberta em papel de presente, com frutas, nozes e avelã - e até mesmo panetone (sem açúcar). Leões, tigres e demais felinos tiveram de "desembrulhar" aves natalinas, servidas sem tempero.

A brincadeira temática é na verdade uma prática no Rio Zoo, explica a zootecnista Karla Cunha. "Essa ação faz parte do Programa de Enriquecimento Ambiental. Nós sempre introduzimos algo diferente na alimentação ou no ambiente, que é uma maneira de o bicho sair da rotina, ter um desafio, aguçar os sentidos como olfato, paladar, tato", explica Karla. "Os primatas ficam tentando quebrar nozes e avelãs. Isso traz bem-estar, ocupa o tempo, evita que ele fique ocioso."

A confraternização anima os visitantes do zoo, principalmente as crianças, que se empolgaram com a entrega dos "presentes". Na falta de chaminé, o tratador-Noel fez as caixas chegarem às jaulas amarradas a fitas vermelhas. "As crianças adoram essa brincadeira em clima natalino. E nós, funcionários, também. O zoológico é como se fosse a nossa casa, a gente confraterniza com os animais também", afirmou Karla. Na véspera de Natal e no dia 25, um biólogo e um veterinário ficarão de plantão. "É como um hospital. A gente nunca para, mesmo que não tenha visitação."

Mais conteúdo sobre:
Zoo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.