Google Street View
Google Street View

Argentino é morto em briga de bar na zona sul do Rio

Turista foi atingido por socos e golpes de bengala antes de sofrer uma forte pancada na cabeça; agressores ainda não foram identificados

Vinicius Neder e Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

26 Março 2017 | 13h59
Atualizado 26 Março 2017 | 17h56

RIO - O turista argentino Matías Sebastian Carena, de 28 anos, jogador de futsal em Buenos Aires, morreu após uma briga de bar em Ipanema, na zona sul do Rio, na madrugada de domingo, 26. De férias na cidade, ele estava com amigos e foi agredido. A polícia não divulgou o motivo do desentendimento; a causa da morte foi, segundo relatos de testemunhas, uma pancada forte na cabeça.

Carena estava num grupo formado por outros dois argentinos e um brasileiro, que brigou com um outro só de brasileiros. Eram 4h30 e todos se divertiam no Barzin, estabelecimento localizado na Rua Vinicius de Moraes, a cinco minutos a pé da Praia de Ipanema, muito frequentado por jovens, cariocas e estrangeiros. 

Os seguranças do bar não conseguiram conter a briga, que se estendeu para a calçada. Carena foi atingido por socos, disseram testemunhas, e também teria sido ferido por golpes de bengala. 

Amigos contaram que o turista bateu com a cabeça na quina de um degrau de uma loja. No domingo, 26, era possível ver a mancha de sangue deixada pelo impacto. A polícia não sabe se ele caiu acidentalmente, depois de um tropeço.

O caso está sendo investigado desde domingo pela Delegacia de Homicídios. Investigadores e peritos foram ao bar durante o dia. Os amigos de Carena e outras testemunhas do crime foram ouvidos. Além disso, imagens de câmeras de segurança do estabelecimento serão requeridas na tentativa de identificar os agressores. 

Na tarde deste domingo, o time de futsal do argentino, Círculos Unidos G.O.N, lamentou o acontecido: "Com uma dor profunda, comunicamos o falecimento de Matías Carena, jogador da primeira divisão de futsal, num confuso episódio no Rio de Janeiro. Nossa instituição permanecerá fechada e decreta 48 horas de luto. Matías veio ao clube com uma mochila cheia de ilusões, e em suas merecidas férias assassinos lhe arrancaram a vida. Só pedimos a todos que compartilhem essa informação, para pedirmos justiça".

 

 

Mais conteúdo sobre:
Rio Rio de Janeiro Ipanema

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.