1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Assessor do presidente da Alerj é assassinado em casa na Baixada

- Atualizado: 06 Janeiro 2016 | 20h 35

José Hildo da Silva Marques trabalhava no gabinete do deputado estadual Jorge Picciani (PMDB) e morava em Nova Iguaçu

Atualizada às 20h34

RIO - José Hildo da Silva Marques, que trabalhava no gabinete do deputado estadual Jorge Picciani (PMDB), presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio (Alerj), foi assassinado na tarde de terça-feira, 5, em casa, no bairro Cobrex, em Nova Iguaçu, cidade na Baixada Fluminense. A polícia ainda não sabe se foi um crime comum ou se teve relação com o trabalho de Marques. Ele faria 48 anos nesta quinta.

Segundo a Polícia Militar (PM), quatro homens que vestiam camisetas cinzas com a inscrição "Polícia Civil" chegaram à casa, renderam Marques, que estava no quintal, a mulher, a enteada e o filho desta, e perguntaram sobre uma quantia em dinheiro que supunham estar guardada no imóvel. Marques não teria respondido e foi então morto a tiros, enquanto a família era mantida dentro da casa.

Segundo a assessoria de Picciani, José Hildo da Silva Marques trabalhava em gabinete na Assembleia Legislativa realizando serviços administrativos, mas sem contato com o deputado

Segundo a assessoria de Picciani, José Hildo da Silva Marques trabalhava em gabinete na Assembleia Legislativa realizando serviços administrativos, mas sem contato com o deputado

A vítima morreu na hora. O grupo fugiu levando uma motocicleta e a gaiola em que estava o passarinho trinca-ferro - seria um animal raro, comercializado por cerca de R$ 3 mil. Parentes contaram à polícia que, pelo que sabiam, Marques não guardava grande soma de dinheiro em casa.

Conforme informaram assessores de Jorge Picciani, Marques trabalhava no gabinete em serviços administrativos, sem contato direto com o deputado. 

O delegado Giniton Lages, da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense, disse que ainda é cedo para descartar qualquer hipótese para o crime, inclusive a questão política. Marques trabalhava havia pouco menos de um ano no gabinete de Picciani. Lages informou que o deputado, a princípio, não será convocado a depor.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em BrasilX