Fabio Motta/ Estadão
Fabio Motta/ Estadão

Ausente durante crise na cidade, prefeito do Rio diz que viagem à Europa foi cansativa

Marcelo Crivella (PRB) estava fora da capital carioca e acompanhou de longe as mortes por causa do temporal

Fernanda Nunes, Rio de Janeiro

17 Fevereiro 2018 | 19h38

Mesmo após a morte de quatro moradores do Rio de Janeiro no temporal da última quinta-feira, 15, o prefeito da cidade, Marcelo Crivella (PRB), avaliou, após participar de reunião com sua equipe, que “o sistema de drenagem da cidade conseguiu suportar o volume enorme de chuva, sem precedentes nos últimos 100 anos”. Ele ainda classificou como heroico o trabalho dos seus secretários. “Houve espírito público e coragem por parte dos servidores”, traz nota divulgada pela prefeitura.

Disse também que sua viagem à Europa durante o carnaval foi “cansativa”. Crivella estava ausente no dia em que foram registradas as quatro mortes durante a tempestade e quando o governo federal decretou intervenção militar na segurança do Estado do Rio, na última sexta-feira, 16. O Ministério Público do Estado (MPRJ) abriu investigação para apurar se a viagem e os gastos do prefeito e comitiva são justificáveis. A prefeitura informa que prestará os devidos esclarecimentos.

“Na reunião com o secretariado, o prefeito lamentou profundamente as mortes ocorridas em consequência do temporal. E ressaltou a determinação que deu a toda sua equipe para que atenda com máximo de prontidão às necessidades da população mais afetada pela chuva”, informou a prefeitura, no comunicado.

“Fui à Europa, numa viagem cansativa, porque nós precisamos de mais informações. O COR (Centro de Operações do Rio) tem câmeras ligadas pela cidade, mas não sabemos, por exemplo, o que acontece nas comunidades carentes. Se a gente colocar câmeras lá, elas serão alvejadas. Fomos a esses países conhecer seus drones, que são equipamentos que podem, de uma altura que não serão derrubados pelo crime organizado, nos dar informação de onde está o crime e como está se desenvolvendo”, afirmou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.