WILTON JUNIOR/ESTADÃO
WILTON JUNIOR/ESTADÃO

Black blocs e PM entram em confronto após protesto no Rio

Atacados com rojões e pedras, os policiais revidaram com bombas de gás; houve pânico e correria

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

15 Março 2017 | 19h09

RIO - Três minutos após o fim do ato promovido no centro do Rio contra as reformas trabalhista e previdenciária propostas pelo governo Michel Temer, às 18h50 desta quarta-feira, 15, black blocs e policiais militares iniciaram um confronto que se estendeu por várias ruas ao redor da estação ferroviária Central do Brasil.

Atacados com rojões e pedras, os policiais revidaram com bombas de gás. Houve pânico e correria entre o público que deixava o ato, e muita gente se abrigou no saguão da Central do Brasil. Grupos entraram na estação ferroviária gritando palavras de ordem contra Temer. 

O protesto. Milhares de manifestantes saíram em passeata pela Avenida Presidente Vargas, nas imediações da Igreja da Candelária rumo à estação ferroviária Central do Brasil, às 17h35 desta quarta-feira, em protesto contra as reformas trabalhista e previdenciária propostas pelo governo do Temer.

Não há estimativas da Polícia Militar sobre o número de manifestantes. Organizadores do ato falavam em 70 mil a 100 mil pessoas.

A multidão caminhou repetindo gritos contra o governo federal, principalmente "Fora, Temer". O governador do Estado do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), também foi alvo de críticas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.