1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Ciclovia no Rio ganha adeptos antes de ser inaugurada

- Atualizado: 15 Janeiro 2016 | 21h 06

Via exclusiva na Avenida Niemeyer será aberta ao público neste domingo; já há marcas de ferrugem provocadas pela maresia

RIO - Cariocas e turistas não esperaram para estrear a ciclovia da Avenida Niemeyer, ligação litorânea entre os bairros do Leblon e São Conrado, na zona sul carioca. Como se fosse rotina, a pista já é usada há dias por ciclistas e pedestres, embora a inauguração formal esteja marcada para este domingo, 17. Foram inúteis as placas de acesso proibido e as pedras para impedir a entrada e o trânsito de invasores. Ao longo da última semana de obras, cidadãos a pé e de bicicleta dividiram a pista com operários.

“Estou publicando no Facebook para os meus amigos verem como o visual está bonito”, disse a designer Elaine Mendes, que mora em São Conrado e trabalha no centro. Na semana passada, ela fazia selfies nos intervalos da corrida pela pista, que será compartilhada por pessoas a pé e de bicicleta.

Moradores da região não se importam com obras e já usam ciclovia, que se debruça sobre o mar e possibilita uma das mais belas vistas do Rio

Moradores da região não se importam com obras e já usam ciclovia, que se debruça sobre o mar e possibilita uma das mais belas vistas do Rio

A via fará parte do “Complexo Cicloviário Tim Maia”, batizado em homenagem ao cantor e compositor, que ligará o Leblon à Barra da Tijuca, na zona oeste, com 7 km de extensão. A intenção da prefeitura é que a orla do Rio seja coberta pela ciclovia do “Leme ao Pontal” (referência ao sucesso do cantor) até o fim deste semestre.

Outro que já aproveitava a ciclovia antes da inauguração era o barraqueiro de praia Cícero Pedro da Silva, de 63 anos. Na quarta, ele usava a pista para ir de bicicleta de sua casa, na Rocinha (São Conrado), ao trabalho, na orla da zona sul. “Faço tudo de bicicleta”, disse.

Com 3,9 mil metros de extensão e 2,5 de largura, a ciclovia da Niemeyer se debruça sobre o mar e dá acesso a uma vista de cartão-postal. A previsão da Geo-Rio, empresa municipal que cuida da obra, é que atenda 70 mil pessoas por dia. A construção começou em junho de 2014, ao custo de R$ 44,7 milhões. A expectativa é de que, até o fim do ano, a malha cicloviária chegue a 450 km.

Maresia. Antes mesmo da inauguração, porém, já podem ser notadas marcas de ferrugem nas peças de ferro que prendem as grades na pista. O desgaste é provocado pela maresia. A Secretaria Municipal de Obras informou que a Fundação Geo-Rio divulgou que “o material usado no guarda-corpo da ciclovia é um aço especial, adequado para ambiente com alta maresia”. Mas reconheceu que há danos.

“Os locais já atingidos pela ação da natureza estão recebendo reparos e não comprometem a integridade da via. Vale ressaltar que a área receberá manutenção rotineira”, informou a secretaria, em nota.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em BrasilX