Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Com intervenção, ministros articulam recursos adicionais ao Rio

Governo precisaria enviar MP ao Congresso para abrir crédito extraordinário no Orçamento de 2018

Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

19 Fevereiro 2018 | 23h15

BRASÍLIA – Poucos dias depois do anúncio do decreto de intervenção do governo federal no Rio de Janeiro, ministros palacianos já defendem nos bastidores o repasse de recursos extras para o Rio de Janeiro, segundo apurou o Broadcast/Estadão.  

Para a transferência direta de recursos ao Rio, o governo precisaria enviar ao Congresso uma Medida Provisória (MP) ou projeto de lei abrindo crédito extraordinário no Orçamento de 2018.  A vantagem desse mecanismo é que as despesas abertas com crédito extraordinário ficam fora do teto de gastos – instrumento constitucional que limita o crescimento das despesas à variação da inflação. Já despesas de créditos ordinários abertos têm que ser computadas no limite do teto.

+++ Governo enviará dinheiro extra para as Forças Armadas, diz Eunício

Durante as Olimpíadas, o governo repassou ao Rio R$ 2,9 bilhões do Orçamento para reforçar a segurança na capital fluminense durante os jogos. Segundo fontes, num valor menor, até R$ 1 bilhão, “talvez” seja possível liberar.

+++ MP do Rio investiga Crivella por falhas e omissão no carnaval

Fontes da equipe econômica ouvidas informaram, no entanto, que não há nenhuma negociação no momento para esse repasse direto ao Rio, que aderiu ao regime de recuperação fiscal do governo federal de socorro aos Estados endividados. O Rio é, até agora, o único Estado que aderiu ao regime. A avaliação é de que, com o regime, o Estado não precisa desses recursos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.