Transcarioca só terá duas linhas funcionando até a Copa

Corredor entre o Aeroporto do Galeão e a Barra da Tijuca prevê circulação de sete linhas de BRT

Thaise Constancio, O Estado de S. Paulo

01 Junho 2014 | 09h57

RIO - Até o início da Copa do Mundo, o BRT Transcarioca, corredor exclusivo para ônibus que ligará o Aeroporto Internacional do Galeão (na Ilha do Governador, zona norte) a Barra da Tijuca (na zona oeste), terá apenas duas das sete linhas previstas em funcionamento. 

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
BRT Transcarioca, no Rio de Janeiro, terá apenas duas das sete linhas previstas em funcionamento até a Copa do Mundo
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313

Neste domingo, 1, a presidente Dilma Rousseff inaugura o sistema ao lado do governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), e do prefeito Eduardo Paes (PMDB). 

Na segunda-feira, 2, começarão a funcionar 20 estações, da Barra da Tijuca a Jacarepaguá. Dois dias depois, na quarta-feira, 4, a linha semidireta Barra-Galeão começará a funcionar.

Os turistas que chegarem ao Rio pelo Aeroporto Internacional e desejarem ir ao estádio do Maracanã, deverão embarcar na linha semidireta Barra-Galeão (R$ 3) e fazer a integração com o metrô na estação Vicente de Carvalho (mais R$ 3,50) até a estação Maracanã.

O tempo médio de viagem é de 1 hora, com saídas a cada 20 minutos. Durante a Copa, o Rio deve receber 850 mil turistas brasileiros e estrangeiros.

Ao todo, o BRT terá 47 estações, distribuídas em 39 quilômetros, que cortarão 27 bairros (incluindo os complexos de favelas da Cidade de Deus, Penha, Alemão e Maré). Também foram construídos dez viadutos, três mergulhões e cinco terminais rodoviários que se integrarão ao sistema. 

A abertura das estações será gradual para diminuir os impactos das mudanças viárias para a população. A previsão da secretaria de Transportes é de que, em três meses, o sistema funcione plenamente. Com 147 ônibus articulados, cada um com capacidade para transportar 200 pessoas, o BRT deverá transportar 320 mil pessoas. 

Integrado aos demais modais da cidade (trem, metrô e ônibus), além da Transoeste, Transolímpica e Transbrasil (corredores de ônibus que estarão completos até 2016), a expectativa é de que o sistema atenda 450 mil pessoas por dia e retire 478 ônibus das ruas. Cálculos da prefeitura apontam para uma redução de 60% no tempo de deslocamento.

Segurança. As 47 estações e os 147 veículos serão monitorados 24 horas pelo Centro de Controle Operacional, que já controla a Transoeste (que conecta a Barra da Tijuca e Santa Cruz, bairros da zona oeste). 

Além disso, a segurança será feita por policiais militares em dias de folga, como parte do Programa Estadual de Integração na Segurança (PROEIS). Policiais à paisana e desarmados circularão dentro dos ônibus e outros agentes armados e uniformizados ficarão nas estações.

Para monitorar todo o trajeto (que tem 120 cruzamentos), a Prefeitura implantou 39 radares ao longo do BRT (um por quilômetro) e aumentou a quantidade de placas sinalizadoras para reduzir a quantidade de acidentes e atropelamentos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.