Reprodução
Reprodução

Enterro de estudante morto na UFRJ será só semana que vem

Assassinato foi no campus há seis dias e traslado ainda pode levar mais cinco

Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

08 Julho 2016 | 15h05

RIO - A reitoria da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) informou na manhã desta sexta-feira, 8, que o traslado do corpo de Diego Vieira Machado, estudante morto no último sábado no campus da Ilha do Fundão, está previsto para seguir para Belém, no Pará, onde ele morava antes de vir para o Rio, "em até cinco dias", segundo a funerária contratada. Machado era gay e a polícia tem indícios de que ele foi vítima de um crime homofóbico. A Divisão de Homicídios ainda não sabe, no entanto, como ele foi morto - os ferimentos verificados em sua cabeça não foram a causa da morte, e é possível que tenha sido por envenenamento. 

O corpo ainda está no Instituto Médico Legal do Rio. A UFRJ, que está custeando o traslado, informou que de acordo com a empresa funerária, são necessárias de 48 a 72 horas para o embalsamento, e também autorização da Agência Nacional de Aviação Civil, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária e outros órgãos para o procedimento. O sepultamento será em Acará, cidade que fica a 65 quilômetros de Belém e onde o estudante nasceu. Ele tinha 30 anos e veio para o Rio em 2011, realizar o sonho de estudar na UFRJ. Cursava letras português-hebraico. A UFRJ está em contato com o irmão do estudante, Maycon Machado.

Ontem, o reitor, Roberto Leher, se reuniu com o comandante do batalhão que policia a área, tenente-coronel Odair Blanco, para pedir reforço no policiamento no campus nos horários noturnos e nas saídas da Faculdade de Letras, Centro de Tecnologia, Centro de Ciências Matemáticas e da Natureza, Centro de Ciências da Saúde e Escola de Educação Física e Desportos. A área do alojamento estudantil, onde Machado morava, por não ter residência no Rio e não poder arcar com um aluguel, também será incluída nas rondas. Os pontos dos ônibus que circulam na Cidade Universitária deverão ser patrulhados com maior frequência.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.