1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Estrangeiro chefe do tráfico no Rio era procurado pela Interpol

Thaise Constancio - O Estado de S. Paulo

01 Setembro 2014 | 13h 15

O polonês Jan Józef Galas Slowakiewicz, de 42 anos, estava no Brasil desde 2011 e liderava o tráfico na região de São Gonçalo

RIO - O polonês preso no último domingo, 31, por policiais do 7º Batalhão (São Gonçalo, na região metropolitana) foi identificado como Jan Jozef Galas Slowakiewicz, de 42 anos. Chefe do tráfico da favela das Almas, em São Gonçalo, ele era procurado pela Interpol por tráfico internacional de drogas.

Galas chegou ao Brasil em 2011 e há dois anos liderava o tráfico local, comandado pela facção Amigos dos Amigos (ADA), a mesma que controlava o tráfico de drogas da favela da Rocinha, na zona sul do Rio. Ex-militar, ele atuava como armeiro na favela das Almas, sendo o responsável pela manutenção das armas dos traficantes.

Antes de ingressar no Brasil, Galas já havia cometido crimes de sequestro, roubo, extorsão, além de tráfico internacional de drogas. No País, será indiciado por associação para o tráfico, tráfico de drogas e porte de arma de fogo de uso restrito. Na casa dele foram encontrados um fuzil 762, uma carabina, cápsulas de cocaína e material para refino e venda da droga. O estrangeiro vivia com duas mulheres e uma deles estava grávida de cinco meses.

À polícia, Galas afirmou que veio para o Brasil como turista, gostou do País e das mulheres e resolveu ficar. Desde que o visto de turista venceu (90 dias, prorrogáveis pelo mesmo prazo), o ex-militar estava ilegal no País.

Depois de cumprir a pena, que pode chegar a 30 anos de prisão, ele será deportado, explicou o delegado-adjunto da 74ª DP (Alcântara), em São Gonçalo, José Paulo Pires, responsável pelo caso.

Versões. No ato da prisão, o estrangeiro disse se chamar Rikardo Talinowski, de 40 anos. Ele disse ser ex-militar da Ucrânia e morar no Brasil há cerca de quatro anos, trabalhando como comerciante. Ao ser encaminhado para a 74ª DP, mudou a versão.

Segundo os policiais, ele afirmou se chamar Stanislaw Galas, e que seria polonês, com 41 anos. No depoimento, ele disse morar na favela há cerca de 11 meses e, por ser ex-militar, ajudava na manutenção das armas dos traficantes.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo