Estudante morto em assalto é cremado no Rio de Janeiro

Jovem estava em ponto de ônibus quando foi abordado; familiares anunciaram protesto pela paz

Mariana Sallowicz, O Estado de S. Paulo

10 Janeiro 2015 | 17h09

 RIO - Cerca de 100 pessoas participaram na manhã deste sábado, 10, do velório do estudante de biologia na Universidade Federal do Rio (UFRJ) Alex Schomaker Bastos, de 24 anos, assassinado por assaltantes na noite de quinta-feira. Parentes e amigos homenagearam o jovem das 10h às 11h no Memorial do Carmo, na zona portuária do Rio. Depois, o corpo foi cremado.

Alex foi morto com seis tiros ao supostamente reagir a um assalto, no ponto de ônibus em frente ao câmpus da Praia Vermelha, em Botafogo, na zona sul do Rio. Ele se graduaria na universidade na próxima segunda-feira. Uma das cinco coroas de flores na capela dizia: "Saudades dos amigos do Instituto de Biologia da UFRJ". Havia um grande número de jovens, muitos vestidos de preto e outros segurando flores brancas.

O estudante Lucas Lopes, 23, conviveu com Alex durante todo o período da faculdade. Recentemente, faziam estágio juntos. Segundo Lopes, eles acompanhavam uma turma de estudos. "Alex era apaixonado pela educação. Tinha muito planos, era um rapaz muito feliz, ambicioso. É lamentável essa violência", afirmou.

Parentes evitaram dar declarações. Alguns amigos de Alex conversaram com os repórteres, mas preferiram não se identificar. Sob forte comoção, muitos protestavam contra o crime. "Para que essa agressão?", disse uma mulher.

Os presentes na cerimônia rezaram o Pai Nosso em coro. Ainda na capela, amigos e a mãe de Alex fizeram homenagens ao jovem e foram aplaudidos. Uma amiga da família afirmou que, momentos antes do crime, o estudante enviou mensagem de WhatsApp para a mãe, Mausy Schomaker, dizendo que chegaria em casa em dez minutos.

O estudante jantou em um restaurante da região com amigos e a namorada antes de ser abordado e baleado no ponto de ônibus. A amiga contou ainda que Alex separara algumas roupas e objetos para doar dias antes de morrer.

Uma prima do jovem, que também não quis ter o nome divulgado, afirmou que ele se preparava para o mestrado. "Era um menino prodígio ", disse emocionada.

Um ato de protesto contra o assassinato está marcado para este domingo às 9h, no câmpus da Praia Vermelha da UFRJ, perto do local onde o jovem foi morto. No Facebook, foi criado o grupo "Mobilização em homenagem ao Alex". Sob aplausos, o corpo foi levado da capela para a cremação às 11h10. "Amanhã, haverá uma manifestação pelo Alex e pela paz", disse a mãe do jovem, à frente do caixão.

Mais conteúdo sobre:
Violência Rio de Janeiro Assalto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.