Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Ex-mulher de traficante é encontrada morta na Rocinha

Jovem era casada com o traficante 'Modelo', do grupo de 'Nem', segundo relatos; idosa também foi vítima de violência na favela neste final de semana

Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

27 Janeiro 2018 | 19h49

RIO - Uma jovem de 19 anos foi encontrada morta dentro de sua casa na favela da Rocinha nessa sexta-feira, 26. Ana Luiza Carvalho da Silva teria sido assassinada por vingança, por ter tido um relacionamento com um traficante. A polícia não informou detalhes sobre a morte até o momento.

Segundo relatos, ela foi casada com Adriano Cardoso da Silva, o 'Modelo', do grupo de Antônio Francisco Bonfim Lopes, o 'Nem'. Este, preso em 2011, era o comandante do tráfico de drogas no morro até então. Em seu lugar, ficou Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157, que foi capturado em dezembro passado. 

+++ PM baleado na Rocinha morre e Rio já tem dez policiais mortos neste ano

Três meses antes, Nem mandara comparsas invadirem a Rocinha para tirar Rogério da liderança da venda de drogas na favela. Deflagrou-se uma guerra violenta no morro, aparentemente controlada pela polícia e pelas Forças Armadas. Neste mês, passada a prisão de Rogério, os ânimos voltaram a se acirrar entre os bandidos na comunidade. Os tiroteios passaram a ser frequentes na semana passada e, com medo das balas perdidas, moradores ficaram presos em casa, sem poder sair para trabalhar – muitos, sem energia elétrica.

Bala perdida. A costureira Hilda Pereira, de 70 anos, foi baleada na Rocinha na tarde deste sábado, 27. A Polícia Militar confirmou que fazia operação na favela, mas ressalvou que não houve confronto com traficantes – informação desmentida por moradores.

Hilda estava em saindo de casa no começo da tarde, na localidade do 199, no alto no morro, para entregar encomendas de roupas a clientes da Rocinha, quando foi alvejada. Ela ficou ferida na cabeça e num dos braços, e foi operada no Hospital Miguel Couto, no Leblon. A costureira é muito querida na vizinhança, que se mobilizou para socorrê-la. O projétil na cabeça a atingiu de raspão e ela não corre risco de vida iminente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.