WILTON JUNIOR / ESTADÃO
WILTON JUNIOR / ESTADÃO

Facebook retira do ar página responsável por ‘fake news’ contra Marielle Franco

Grupo de advogadas recolheu 17 mil postagens contendo mentiras nas redes sociais entregou a delegacia; equipe de especialistas começou a analisar as postagens neste sábado

Marina Dayrell e Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

24 Março 2018 | 17h03

SÃO PAULO e RIO – O Facebook retirou do ar neste sábado, 24, a página Ceticismo Político, responsável por disseminar ‘fake news’ (notícias falsas) sobre a  vereadora Marielle Franco (PSOL), assassinada a tiros no Rio de Janeiro no último dia 14. "Nossos Padrões da Comunidade não permitem perfis falsos, e contamos com nossa comunidade para denunciar contas assim. Páginas administradas por perfis falsos também violam nossas políticas", informou a assessoria do Facebook no Brasil.

Na última sexta-feira, 23, a Delegacia de Repressão a Crimes de Informática (DRCI) do Rio de Janeiro instaurou inquérito para tentar identificar os autores e disseminadores de textos difamatórios contra a vereadora. Um grupo de advogadas recolheu nas redes sociais e entregou à delegacia 17 mil postagens contendo mentiras sobre Marielle.

Tanto quem criou como quem replicou esses textos podem ser indiciados pelos crimes de calúnia, injúria ou difamação. A maior pena prevista para esses crimes é de dois anos, no caso de calúnia. Uma equipe de especialistas em rastrear a origem de postagens nas redes sociais começou a analisar as postagens neste sábado (24), mas até o início da tarde não havia avanços na investigação.

Uma outra página do Ceticismo Político, que foi atualizada pela última vez em fevereiro, e tem 23 mil curtidas ainda permanece no ar. 

+ Voluntários criam site para desmentir notícias falsas sobre Marielle

Em mensagens publicadas em redes sociais e áudios enviados pelo aplicativo Whatsapp, internautas têm divulgado informações - sem nenhuma comprovação - de que Marielle teria ligação com o crime organizado e que sua morte estaria relacionada a esse envolvimento. A tese foi reproduzida por uma desembargadora do Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ) em uma postagem no Facebook. O deputado Alberto Fraga (DEM-DF) foi outro que reproduziu fake news em uma de suas redes sociais.

Estas e outras publicações semelhantes geraram revolta nas redes sociais e fizeram a equipe jurídica do PSOL criar uma força-tarefa para identificar os autores de informações mentirosas e difamatórias contra Marielle e denunciá-los à Polícia Civil.

+ Notícias falsas são mais bem-sucedidas que verdadeiras, mas caso Marielle pode mostrar como combatê-las

Youtube. Nesta sexta-feira, 23, representantes da plataforma YouTube disseram que vão retirar 16 vídeos com ofensas à vereadora. A remoção foi determinada pela Justiça, em ação proposta pela irmã de Marielle, Anielle Franco, e pela mulher da vereadora, Mônica Benício. As duas pediram à Justiça que determinasse a retirada de 40 vídeos postados no YouTube. Até aquela data, haviam sido vistos por mais de 13 milhões de pessoas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.